Juquiel dos Santos/O Farol
Juquiel dos Santos/O Farol

Polícia procura quem matou jacaré de zoológico

Mesmo pesando mais de cem quilos, animal foi retirado da jaula e teve a cabeça e as vísceras abandonados na fuga 

Rene Moreira, especial para O Estado

05 Julho 2017 | 11h35

FRANCA - A Polícia Civil de Alfenas, em Minas Gerais, tenta identificar quem furtou um jacaré do zoológico local nesta terça-feira, 4, e o matou na fuga. Mesmo pesando mais de cem quilos e tendo dois metros de comprimento, o animal foi retirado da jaula e abatido em uma mata próxima ao parque, onde ficaram apenas sua cabeça e suas vísceras.

O jacaré estava há cerca de 15 anos no zoológico e tinha um microchip, que também foi deixado para trás. Para funcionários, uma das possibilidade é que o autor do furto estivesse interesse na carne e no couro do jacaré, que contam com alto valor de mercado.

A Polícia Militar Ambiental diz que não é comum esse tipo de comércio na região e alerta que, além de multa de até R$ 5 mil, crime assim pode render de 6 meses a um ano de prisão.

O jacaré do papo amarelo, espécie que foi abatida, era macho e está ameaçado de extinção. De acordo com Andrea Aparecida Brandão, veterinária do zoológico, o medo agora é que o autor retorne ao local.

"Estamos preocupados com a fêmea, para evitar que também seja alvo desse tipo de crueldade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.