Claus Bech/Scanpix/Reuters
Claus Bech/Scanpix/Reuters

Polícia prende mais de cem e impede protesto em Copenhague

Milhares de pessoas marchavam ao Bella Center com o objetivo de promover uma assembleia popular no local

estadao.com.br,

16 Dezembro 2009 | 08h20

A Polícia dinamarquesa prendeu nesta quarta-feira, 16, mais de cem manifestantes que marchavam em direção ao palácio de convenções Bella Center para participar de uma ação com o objetivo de interromper as sessões da 15ª Conferência do Clima (COP-15), em Copenhague.

 

Veja também:

linkSarkozy, Brown, Merkel e Obama debatem

linkSerra e Schwarzenegger enaltecem papel dos Estados

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono 

 

Um tumulto originado a um quilômetro do Bella Center, entre agentes e trezentos ativistas, resultou na ação policial que prendeu mais de uma centena de pessoas, segundo um porta-voz da Polícia.

 

Milhares de pessoas marchavam separadas em grupos para o palácio de convenções, em um protesto convocado pelo coletivo Climate Justice Action (CJA) para tentar entrar no Bella Center, paralisar a reunião e promover, no seu lugar, uma assembleia popular.

 

Um forte dispositivo policial rodeava o palácio de convenções, enquanto agentes realizavam bloqueios aleatórios na estação central de trem, em ônibus e diversos pontos da cidade em busca de suspeitos.

 

No interior do Bella Center, seguranças da ONU rodeavam um grupo de integrantes de ONGs sentados na entrada do local para impedir que eles realizassem alguma ação relacionada aos protestos.

 

O CJA acusou a Polícia de tentar impedir a manifestação com prisões e apreensões de bicicletas e objetos como caneleiras.

 

A ação da CJA, anunciada há semanas, é de caráter não violento, apesar de os ativistas terem comunicado que não seriam impedidos por obstáculos físicos, como alambrados.

 

O alemão Tadzio Müller, porta-voz da CJA, foi preso na terça-feira, 15, por três policiais à paisana quando saía do Bella Center, após uma coletiva de imprensa na qual anunciou a mobilização desta quarta-feira.

 

Müller será colocado à disposição da Justiça nesta quarta, acusado de incitar a agressão de funcionários públicos e grave alteração da ordem pública.

 

(Com Efe)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.