Instagram / @gusttavolima
Instagram / @gusttavolima

Polícia exige esvaziamento de represa em fazenda de Gusttavo Lima

Estrutura teve aumento nas trincas e infiltrações

Marília Assunção, Especial para o Estado

21 de maio de 2019 | 14h05

GOIÂNIA - Sob ameaça de rompimento, uma represa em uma fazenda do cantor sertanejo Gusttavo Lima, entre as cidades de Bela Vista de Goiás e Caldazinha, na região metropolitana de Goiânia, está sendo esvaziada às pressas. O local funciona como lago para passeios de jet ski. 

Nesta segunda-feira, 20, a Delegacia Estadual do Meio Ambiente de Goiás (Dema) deu três dias para que o volume caia para um metro. Para isso, é necessário o esgotamento de três metros de água do reservatório, que possuía cinco metros - um metro já havia sido escoado nos últimos dias.  

O delegado titular da Dema, Luziano de Carvalho, esteve na represa com membros do Ministério Público, representantes do cantor, Corpo de Bombeiros e peritos na segunda. Ele decidiu exigir que o esgotamento, que vinha sendo realizado por empresa contratada pela fazenda, fosse acelerado por causa do aumento das trincas e infiltrações na estrutura.

O rompimento poderia afetar seis famílias e uma importante rodovia estadual, a GO-020. Mas como não há projeto de licenciamento para o reservatório,  disse Carvalho, é impossível saber a "mancha de inundação" em caso de colapso.

Na sexta-feira, 17, as famílias receberam comunicados da empresa contratada pelo artista.  "Fomos avisados que,  se algo acontecer, se a represa romper, seremos indenizados, haverá hotel reservado, alimentação", disse o gerente farmacêutico Luizmar Cardoso, de 62 anos. Ele possui uma chácara com um criatório de peixes, a 1,5 quilômetro do reservatório da Vargem Grande, há dez anos. 

De 2018 para cá, conta Cardoso, a represa foi esgotada uma vez, causando o assoreamento de uma área próxima. "A água entrou no sítio e até que passou e esgotou rápido,  mas o meio ambiente sofreu." 

Autuação

Lima foi autuado em 2018 pela falta do licenciamento da represa após vistoria em outubro do ano anterior. A Dema identificou que, mesmo tendo dado entrada no processo de licença após ser autuado, não havia medidas urgentes sendo cumpridas. 

Um dos problemas, segundo o delegado,  é a inexistência da chamada descarga de fundo, ou extravasor, um meio para esgotar a represa em caso de risco.

O cantor comprou o imóvel em setembro de 2017, já sabendo que a barragem  do Córrego  Olaria, construída havia mais de 25 anos, não havia sido licenciada pelos proprietários anteriores, informou a assessoria do cantor. 

Segundo a equipe do artista, o cantor  não foi notificado, mas o prazo de três dias é o mesmo previsto pela empresa contratada para fazer o serviço.  Em nota, a assessoria ainda listou tentativas de licenciamento do reservatório, que tiveram início em dezembro de 2017, um mês depois da vistoria da Dema.

Conforme  a  assessoria,  por causa de demora "burocrática" para o licenciamento,  foram iniciadas obras de "estabilização e consequente aumento da vida útil" do lago em 2018, o que levou ao auto de infração e embargo em janeiro do ano passado.  

Depois disso, o cantor entrou em contato com empresa que emitiu laudo técnico alertando para o risco de rompimento e pedindo autorização dos órgãos ambientais  para obras emergenciais. Segundo a nota, "o risco para população e meio-ambiente  está controlado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.