Polícia destrói pista clandestina em reserva ambiental no RJ

Localizada na Área de Proteção Ambiental de Maricá, pista seria usada por traficantes e contrabandistas

Agência Brasil,

26 Fevereiro 2010 | 15h53

A Secretaria do Ambiente do estado do Rio de Janeiro destruiu na tarde desta sexta-feira, 26, uma pista de aviões instalada há cerca de dez meses na Área de Proteção Ambiental de Maricá, no litoral fluminense. Com 400 metros de comprimento e 15 de largura, a pista estava parcialmente coberta pela vegetação rasteira de gramínea da restinga, dificultando sua visualização.

 

Veja também:

linkRio adota helicóptero para combater crimes ambientais

linkEmbrapa e CNA lançam projeto para preservar biomas do país  

 

Embora as autoridades prefiram não especular sobre o uso da pista, o major PM Rodrigo Sanglard, da Coordenadoria Integrada Contra Crimes Ambientais da secretaria, não descarta que ela fosse utilizada por traficantes e contrabandistas de armas.

 

"Consultamos a Polícia Federal e as escolas de aviação no estado, mas ninguém conhecia sobre a pista. Na realidade, ela estava bem disfarçada, com uns poucos pneus usados para sinalização noturna com fogo", disse o major.

 

Como se trata de área de preservação, não foi usado explosivo, mas três tratores que esburacaram a pista, inutilizando-a. Um dos tratores é empregado pelo Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope) para a desobstrução de acesso a favelas bloqueadas por traficantes de drogas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.