Divulgação
Divulgação

Polícia Ambiental apreende 2,5 t de palmito da Mata Atlântica

Quantidade, que estava acondicionada em potes de vidro, pode ter vindo de pelo menos 3 mil palmeiras juçara

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

24 Fevereiro 2014 | 15h47

SOROCABA - A Polícia Ambiental apreendeu 2,5 toneladas de palmito extraído ilegalmente da Mata Atlântica, nesta segunda-feira, 24, em Piedade, região de Sorocaba. O produto, acondicionado em vidros e pronto para o consumo, havia sido retirado da palmeira juçara, espécie fundamental para o ecossistema dessa floresta, mas em processo de extinção. Para obter essa quantidade de palmito, foi necessária a derrubada de pelo menos três mil palmeiras, segundo a polícia.

Os policiais acreditam que os palmiteiros invadiram unidades de conservação, como os parques estaduais do Vale do Ribeira, para ter acesso a um número significativo de palmeiras. Fora das reservas a palmeira já é rara.

O caminhão que transportava a carga de palmitos – 2,4 mil vidros do produto embalado – foi abordado no km 121 da rodovia Santos Dumont (SP-79), entre Piedade e Votorantim, após uma denúncia anônima. O motorista, que se negou a informar a origem da carga, foi levado à Delegacia de Polícia e autuado por crime ambiental. Ele vai responder ao processo em liberdade.

Em janeiro, a Polícia Ambiental já havia apreendido 250 quilos de palmito embalado em Tapiraí, na mesma região. A palmeira juçara, que leva de sete a dez anos para frutificar, está no topo da cadeia alimentar de uma vasta fauna da Mata Atlântica que se torna ameaçada com a redução na população de plantas. Além da extração do palmito ser crime ambiental, seu preparo de forma clandestina acarreta o risco de doenças, como o botulismo.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.