Pobre em água, mundo árabe prevê drama com mudança climática

A mudança climática deve afetar com mais força o mundo árabe do que muitas outras regiões, podendo reduzir drasticamente a produção agrícola devido à já crônica escassez de água nesses países, disseram funcionários da ONU e da Liga Árabe na terça-feira.

DINA ZAYED, REUTERS

25 Novembro 2009 | 11h16

De acordo com eles, os governos árabes têm demonstrado maior conscientização sobre o tema, mas ainda precisam cooperar mais para melhorar suas políticas e pesquisas.

"A mudança climática será crítica para o mundo árabe, porque esta região em particular já sofre com a pobreza, a aridez disseminada, a escassez de água e a marginalização social", disse Sima Bahous, subsecretário-geral da Liga Árabe para o Desenvolvimento Social.

Ao lançarem no Cairo um relatório do Fundo Populacional da ONU sobre a mudança climática, os funcionários disseram que 15 por cento da população do mundo árabe já tem acesso limitado ou nulo à água potável.

Hafedh Chekir, diretor-regional do Fundo Populacional para os Estados árabes, disse que 80 por cento da água na região se destina à agricultura, e que a escassez causada pela mudança climática pode reduzir a produção de alimentos pela metade.

Henrietta Aswad, consultora regional de comunicações do Fundo, disse que é preciso mais colaboração entre a Liga Árabe, o Fundo Populacional da ONU e ONGs para ajudar os governos a preparem políticas adequadas.

"A conscientização na região árabe está melhorando..., mas são necessários mais estudos e dados para basicamente ter uma melhor avaliação do real impacto, especialmente sobre grupos vulneráveis na região", acrescentou.

O relatório não cita políticas específicas para a região, mas recomenda prioridade a mulheres, crianças e idosos, pois esses grupos tendem a sofrer mais com a mudança climática e a escassez de água.

Chekir disse que o Egito, onde a maior parte dos seus 77 milhões de habitantes está concentrada no vale e no delta do Nilo, pode ser um dos países mais afetados do mundo.

Um estudo anterior da ONU apontou que 8 milhões de pessoas podem ficar desabrigadas se o nível do mar subir um metro, inundando o delta, uma importante região agrícola. O Egito já é o maior importador mundial de trigo.

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTEARABESAGUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.