PNUMA pede atenção ao meio ambiente em relação à segurança alimentar

Órgão defende a reelaboração dos sistemas agrícolas sustentáveis e mudança nas dietas

Efe

16 Outubro 2012 | 10h26

NAIRÓBI - O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) fez um alerta nesta terça-feira, 16, Dia Mundial da Alimentação, sobre a necessidade de dar mais atenção à ecologia e ao meio ambiente para alcançar o objetivo de erradicar a fome no mundo.

Neste aspecto, a PNUMA advertiu que, se a ecologia e a proteção da biodiversidade não forem priorizadas, será cada vez mais difícil alcançar uma segurança alimentar mundial. Segundo números do programa da ONU, um terço dos alimentos produzidos no mundo é desperdiçado, o que representa 1,3 bilhão de toneladas ao ano.

Um relatório publicado nesta terça-feira pela organização ressalta que a falta de alimentos sempre esteve relacionada com quatro pontos fixos, a disponibilidade, o acesso, a utilização e a estabilidade, enquanto a base dos recursos e o ecossistema não eram levados em consideração.

"O meio ambiente foi a ideia mais tardia que entrou no debate sobre segurança alimentar", declarou o cientista chefe do PNUMA, Joseph Alcamo.

No relatório, intitulado "Evitar Futuras Crises de Fome: Fortalecer a Base Ecológica da Segurança Alimentar", a PNUMA esmiúça os diversos tipos de abusos ao ecossistema, como a pesca em massa, o uso insustentável da água e as práticas agrícolas que degradam o meio ambiente.

"Esta é a primeira vez que a comunidade científica nos deu uma visão completa de como a base ecológica do sistema alimentício não só é pouco firme, mas como também está sendo enfraquecida", afirmou Alcamo.

Além disso, o documento do PNUMA assinala que o caminho para garantir uma boa base ecológica, capaz de garantir a segurança alimentar mundial, parte em direção à reelaboração dos sistemas agrícolas sustentáveis e a uma mudança nas dietas e no armazenamento dos alimentos.

"O mundo necessita de uma grande revolução meio ambiental: uma que entenda da melhor maneira como os alimentos são cultivados e como são produzidos em termos de contribuição natural", declarou o subsecretário-geral e diretor-executivo do PNUMA, Achim Steiner.

O documento também aponta que enquanto a agricultura fornece 90% das calorias que são ingeridas no mundo, a pesca fornece os outros 10%, mas ambas as indústrias enfrentam várias ameaças, principalmente pelo aumento da população e pela mudança no estilo de vida e nos hábitos alimentares.

O relatório divulgado pelo PNUMA, que foi escrito por 12 cientistas e analistas em meio ambiente, foi elaborado junto a organizações como o Fundo Internacional para o Desenvolvimento da Agricultura (IFAD), o Banco Mundial e a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).

Mais conteúdo sobre:
PNUMA segurança alimentar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.