Plataformas da Bacia de Campos têm problemas de segurança

Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense diz que falhas colocaria em risco a vida dos petroleiros

Agência Brasil

18 de agosto de 2010 | 21h03

Em menos de um mês, três plataformas da Petrobras instaladas na Bacia de Campos, no norte do estado do Rio de Janeiro, apresentaram problemas. O Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense informou nesta quarta que a plataforma P-31, no Campo de Albacora, tem falhas de segurança e de conservação, o que colocaria em risco a vida dos petroleiros que trabalham na unidade. Na semana passada, a plataforma P-33 foi interditada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e a P-35 sofreu um princípio de incêndio. A Petrobras garantiu que suas plataformas operam com segurança, sem representar perigo para os trabalhadores.

 

Depois de denunciar o estado de má conservação da P-31, o diretor de comunicação do Sindipetro NF, Marcos Breda, afirmou que a intenção é dar segurança aos trabalhadores e revelou que o sindicato quer a interdição da unidade. “Há vários problemas na P-31, inclusive nas tubulações de óleo e gás, que precisam de reparos definitivos e não provisórios. Temos uma série de denúncias sobre a deterioração dos equipamentos também. O caso é semelhante ao da P-33. Além disso, existe a possibilidade de interdição da plataforma, pois o pedido do sindicato foi nesse sentido.”

 

Breda informou ainda que vai pedir à Superintendência Regional do Trabalho do Rio de Janeiro que faça uma inspeção na plataforma. A intenção é que a vistoria ocorra na próxima terça-feira.

 

Nesta segunda-feira, 12 plataformas da Petrobras aderiram à operação padrão de segurança “Chega de Contar com a Sorte”, promovido pelo Sindipetro do norte fluminense. Durante a operação, os trabalhadores fazem todos os procedimentos de segurança, antes de qualquer atividade na empresa.

 

A Petrobras informou, por meio de sua assessoria, que suas plataformas operam com segurança, não oferecendo risco aos trabalhadores embarcados e à integridade dos equipamentos usados. "A Petrobras reafirma que exerce todas as suas atividades com austera política de segurança, meio ambiente e saúde. Impõe também rigor técnico nos aspectos relacionados aos equipamentos e à capacitação de pessoal", diz a estatal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.