Andres Stapff/Reuters
Andres Stapff/Reuters

Pinguins são resgatados no Uruguai contaminados com petróleo

Cerca de 200 animais vindos da Argentina chegaram ao litoral uruguaio cobertos de óleo

Efe e Reuters

22 Julho 2010 | 17h20

MONTEVIDÉU - Cerca de 200 pinguins vindos do sul da Argentina foram encontrados nos últimos dias no litoral do leste do Uruguai cobertos de óleo. A maioria morreu, mas algumas dezenas deles foram resgatados, segundo ONG que atendeu os animais.  

 

Veja também:  

 

Tempestade interrompe contenção de vazamento no Golfo do México

Os pinguins, resgatados no litoral de Piriápolis, Rocha e Maldonado, apresentavam sintomas de desidratação e hipotermia por causa do dano causado por manchas de petróleo, disse o porta-voz da sociedade para a conservação da biodiversidade de Maldonado (Socobioma), Daniel Donate.

As manchas de petróleo são geradas durante as tarefas de limpeza dos tanques e das salas de máquinas dos navios em alto-mar e afetam as aves quando elas cruzam a região em seu processo migratório do sul da Argentina em direção ao Brasil.

As aves, da espécie Magalhães, atravessam as águas todos os invernos austrais, mas há vários anos muitas delas são contaminadas pela poluição e morrem no litoral uruguaio.

"Os animais chegam muito frágeis e mortos de frio, porque as manchas de petróleo em suas penas fazem com que percam a gordura que as protege das baixas temperaturas da água", explicou Donate.

Há oito anos, o Socobioma recupera entre 50 e 70 pinguins nesta época de ano (apenas um terço dos animais afetados pela poluição nas águas uruguaias), segundo a ONG.

As aves resgatadas passam entre 20 e 30 dias nas instalações até serem reabilitadas e libertadas outra vez ao oceano, para que continuem a viagem em direção às águas brasileiras, mais quentes que as argentinas.

Mais conteúdo sobre:
pinguins petróleo Uruguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.