Pinguins são devolvidos ao mar após tratamento em Florianópolis; veja fotos

Chegada dos animais ao litoral brasileiro é comum entre junho e outubro quando saem das colônias de reprodução na Patagônia e acabam se perdendo do bando

Marcone Tavella, ESPECIAL PARA O ESTADO

10 Outubro 2016 | 18h09

Com passos incertos, um grupo de 16 pinguins caminharam juntos na manhã desta segunda-feira, 10, em direção ao mar da praia de Moçambique, em Florianópolis. Eram 14 animais jovens e dois adultos que estavam em tratamento há 45 dias no Centro de Tratamento de Animais Silvestres (Cetas) do Parque do Rio Vermelho. 

A chegada de pinguins nas praias catarinenses é comum entre junho e outubro. Com o inverno no Hemisfério Sul, centenas destes animais partem das colônias de reprodução na Patagônia, na Argentina, em busca de alimentos. Muitos acabam se perdendo do bando, adoecem e chegam debilitados ao litoral. 

O tratamento no Cetas é coordenado pela Fundação Catarinense do Meio Ambiente (Fatma), em conjunto com agentes da Polícia Ambiental e técnicos da Organização Não-Governamental R3. No período em que ficam sob cuidados, eles recebem medicação, alimentação e suplementação de vitaminas até atingirem peso médio de 3,5 kg. 

Antes de regressarem ao mar, são medidos e marcados com microchips. Segundo informações da Fatma, no ano passado foram 150 pinguins resgatados e devolvidos ao mar. A fundação orienta que, caso um banhista encontre um pinguim, acione a Polícia Ambiental para tratamento adequado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.