Reuters
Reuters

Pinguim-celebridade é solto na Antártida após se recuperar de cirurgia

Happy Feet havia surpreendido especialistas ao aparecer em praia na Nova Zelândia; ele adoeceu após comer areia pensando que era neve.

BBC Brasil, BBC

04 Setembro 2011 | 09h15

Um pinguim-imperador que se tornou celebridade mundial após aparecer em uma praia da Nova Zelândia em junho foi libertado neste domingo no Oceano Antártico para nadar de volta ao seu habitat original, na Antártida.

O animal foi encontrado em uma praia ao norte de Wellington, a 3 mil quilômetros de distância de sua colônia. Seu aparecimento surpreendeu especialistas em vida marinha - segundo eles, esse foi apenas o segundo caso de um pinguim-imperador encontrado na Nova Zelândia.

O pinguim batizado de Happy Feet foi solto na manhã deste domingo a cerca de 80 quilômetros da ilha Campbell, após se recuperar de uma cirurgia para remover três quilos de areia do estômago.

Ele adoeceu gravemente depois de comer areia, que confundiu com a neve que os pinguins engolem para permanecer hidratados.

Comoção

O caso do pinguim comoveu o país e ganhou espaço no noticiário internacional. Na semana passada, centenas de pessoas visitaram o zoológico de Wellington para se despedir do animal antes de seu retorno à Antártida.

Uma campanha pública arrecadou mais de 20 mil dólares neozelandeses (R$ 27 mil) para cobrir parte dos custos do tratamento do animal.

Sua recuperação foi acompanhada online por mais de 120 mil pessoas, por meio de uma câmera de vídeo.

Segundo a veterinária do zoológico de Wellington Lisa Argilla, que acompanhou a viagem de Happy Feet de volta a casa, o animal precisou de "um pouco de estímulo" para deixar o caixote no qual havia passado seis dias no barco que o levou ao local onde foi solto.

Mas ele logo deslizou por uma rampa improvisada e saiu nadando, segundo ela.

O pinguim teve instalado um dispositivo para rastreamento para que o zoológico possa acompanhar seu progresso. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.