Delta Tankers
Delta Tankers

PF indicia empresa grega e chefes de tripulação por vazamento de óleo no litoral em 2019

Levantamento da PF aponta que gastos do governo federal nas operações de limpeza das praias e do mar brasileiro após vazamento do navio Bouboulina somaram cerca de R$ 188 milhões

André Borges, O Estado de S. Paulo

02 de dezembro de 2021 | 15h56

BRASÍLIA - A Polícia Federal concluiu suas investigações a respeito do trágico crime ambiental que, em 2019, lavou o litoral brasileiro com milhares de toneladas de óleo. A investigação pede o indiciamento da empresa grega Delta Tankers, dona do navio Bouboulina, apontado como o responsável pelo vazamento. Foram indiciados ainda o comandante da embarcação, Konstantinos Panagiotakopoulos; e o chefe de máquinas do navio Bouboulina à época dos fatos, Pavlo Slyvka.

De acordo com as investigações, ambos embarcaram na Venezuela e desembarcaram apenas na Malásia, tendo permanecido na embarcação desde o carregamento do óleo até seu pretenso descarregamento no porto de destino.

O levantamento da PF aponta que, se considerados apenas os gastos do governo federal em suas instituições nas operações de limpeza das praias e do mar brasileiro, foram despendidos cerca de R$ 188 milhões. Na prática, o dano teve um custo muito maior ao País, se considerados os prejuízos diretos ao meio ambiente, além de prejuízos às comunidades locais que dependem da pesca e os danos causados ao turismo.

No fim de agosto de 2019, diversas manchas de substância oleaginosa começaram a aparecer em diversas praias da região Nordeste. O óleo cru, que brotava em diversas regiões nos meses seguintes, causou danos e prejuízos incalculáveis.

De 30 de agosto de 2019 a 19 de março de 2020, data do último relatório elaborado pelo Ibama sobre o episódio, foram recolhidas pelos menos 5 mil toneladas de resíduos em 1.009 localidades, distribuídas por 11 Estados, se estendendo por mais de 3 mil km, incluindo cerca de 55 Áreas de Proteção Marinhas.

O derramamento afetou um total de 27 espécies costeiras ameaçadas, além de ocorrer em uma área onde vivem aproximadamente 870 mil pessoas que vivem de pesca artesanal e turismo local.

O inquérito policial que acaba de ser concluído foi instaurado no dia 18 de setembro de 2019. Após análise de diversos estudos técnicos desenvolvidos pelo Ibama, Marinha, universidades e a própria PF, tudo apontou para o navio grego.

“Parece-nos óbvio existirem fortes indícios de que o NM Bouboulina, da empresa grega Delta Tankers Ltd., foi o navio envolvido com o vazamento de petróleo que gerou uma poluição marinha sem precedentes da história do Brasil”, afirma o delegado de Polícia Federal, Franco Perazzoni, no relatório.

Laudo técnico de outubro de 2019 produzido pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) concluiu que o óleo coletado nas praias dos litorais sergipano e baiano é o mesmo tipo de petróleo que é produzido na Venezuela. Nenhum petróleo produzido no Brasil apresenta as mesmas características.

A tragédia internacional atingiu, em 04 de novembro de 2019, o Parque Nacional Marinho de Abrolhos, principal berçário das baleias jubarte no Atlântico Sul, que teve de ser fechado por sete dias.

A próxima fase depende do atendimento a pedidos de cooperação jurídica internacional elaborados pela PF e o Ministério Público Federal e que serão direcionados às autoridades da Libéria e Ilhas Marshall, além da tradução de alguns dos documentos remetidos pelas autoridades gregas.

A reportagem ainda não obteve resposta da Delta Tankers sobre o assunto.

Tudo o que sabemos sobre:
crime ambientalBouboulina [navio]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.