PF deflagra operação contra crimes ambientais no Paraná

Alvos da operações são criminosos que expulsaram famílias de assentamento para extrair madeira ilegalmente

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

24 Novembro 2009 | 10h22

Cerca de 550 policiais deflagraram na manhã desta terça-feira, 24, a Operação Tolerância Zero, da Polícia Federal, para reprimir crimes ambientais na área do 'Assentamento Celso Furtado', no Município de Quedas do Iguaçu, no Paraná.

 

Estão sendo cumpridos 29 mandados de prisão expedidos pela Justiça Federal em Cascavel, além de 95 ordens para busca e apreensão e para interdição de serrarias, igualmente expedidas pela 1ª Vara Federal de Cascavel. A PF ainda não tem informações de quantas pessoas já foram detidas.

 

Os alvos das prisões, segundo a PF, são criminosos que invadiram o assentamento, expulsando famílias assentadas para ocupar seus lotes. Em associação com alguns empresários madeireiros da região, passaram a vender e processar madeira extraída ilegalmente do Assentamento, que constitui patrimônio da União, a par da proteção específica da espécie 'araucária', também atingida pela ação predatória dos criminosos.

 

A Operação busca interromper a ação de serrarias onde é processada a madeira subtraída da área da União, situadas em diversas localidades da região e, em alguns casos, a poucos metros da entrada do Assentamento. Serrarias clandestinas já identificadas no interior do Assentamento serão igualmente lacradas pelos policiais, que poderão fazer prisões em flagrante.

 

Participam destas ações 240 policiais federais, do Paraná e de outros Estados; 258 policiais militares, sendo 110 policiais da Força Verde; 28 servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e 23 do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), num total de 550 servidores públicos que empregam dezenas de viaturas e dois helicópteros.

Mais conteúdo sobre:
Policia Federal Parana crimes ambientais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.