Petrolífera britânica diz que tecnologia pode reduzir emissões

Novo presidente da BP defende o 'homework' e teleconferências para diminuir o desperdício energético

Efe,

02 Dezembro 2009 | 16h32

As novas tecnologias, que possibilitam os contadores inteligentes e as teleconferências, poderiam reduzir as emissões atmosféricas de CO2 em até 20%, segundo o novo presidente da companhia petrolífera britânica BP, o sueco Carl-Henric Svanberg.

 

Veja também:

linkGrandes emergentes são contra cortar emissões em 50%

link México pedirá a criação do 'Fundo Verde' em Copenhague

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especial Entenda as negociações do novo acordo

 

Na opinião dele, este tipo de tecnologia, incluindo as redes elétricas inteligentes, tem condições de cumprir um papel importante na luta contra o aquecimento do planeta ao diminuir o desperdício energético e as viagens em diferentes meios de transporte.

 

"O PIB (Produto Interno Bruto) mundial vai triplicar daqui até o ano de 2050 e se seguirmos no ritmo atual, isso significará três vezes o consumo energético e também o triplo de emissões de CO2 atuais", diz Svanberg em entrevista ao jornal The Times. "Não podemos seguir vivendo como fizemos até agora e multiplicá-lo por três. É preciso encontrar uma maneira mais inteligente de mudar a situação", afirma o empresário, que até final do ano ficará à frente da companhia Ericsson.

 

Segundo Svanberg, uma das coisas que podem ajudar é a instalação nas casas de contadores inteligentes para medir em tempo real a energia consumida. Ele disse também que as teleconferências e o homework poderiam contribuir para uma importante redução das viagens de avião, trem e na estrada. "Seguimos viajando pelo mundo para reuniões, mas é possível substituir muitas dessas viagens por teleconferências", sugere.

 

As declarações do presidente da BP sobre possíveis economias domésticas de energia coincidem com o anúncio do Governo britânico de um plano pelo equivalente de 9,9 bilhões de euros para introduzir contadores inteligentes nos 26 milhões de lares britânicos até 2020.

 

Os contadores permitirão às companhias elétricas melhorar a eficiência energética mediante acordos com os consumidores para baratear a energia consumida em determinadas horas do dia, semelhantes aos que oferecem agora as companhias telefônicas.

 

Quem utilizar as máquinas de lavar pratos e lavadoras durante a noite será recompensado, permitindo diminuir o número de centrais elétricas necessárias no país.

Mais conteúdo sobre:
BP pretrolifera emissões CO2 tecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.