AP
AP

Peta compara vítimas do Holocausto a animais em campanha

Em campanha banida na Alemanha o grupo usava o slogan 'para os animais, todas as pessoas são nazistas'

Efe,

26 Março 2009 | 16h03

O Tribunal Constitucional alemão proibiu a veiculação de uma campanha publicitária da organização de proteção dos animais Peta que compara as condições da criação extensiva de animais com as das vítimas do Holocausto nos campos de concentração nazistas.

 

A sentença divulgada nesta quinta-feira, 26, proíbe a Peta de continuar com a campanha iniciada em 2004 com o slogan "O Holocausto em seu prato", na qual comparava imagens de prisioneiros de campos de concentração nazistas vivos e mortos com as de animais enjaulados ou acorrentados em estábulos.

 

Desta forma, o tribunal ratifica uma sentença anterior de uma corte da cidade de Berlim após um processo apresentado pelo Conselho Central dos Judeus na Alemanha e contra o qual a Peta tinha apelado.

 

Embora considerem que a campanha não atenta contra a dignidade humana, os magistrados do Tribunal Constitucional alemão confirmam em sua sentença que os anúncios violam os direitos de personalidade e imagem dos judeus na Alemanha.

 

Segundo os juízes do tribunal, de forma similar à negação do Holocausto, crime tipificado na Alemanha, a campanha da Peta "representa um grave atentado também contra a personalidade dos judeus de hoje".

Mais conteúdo sobre:
Peta animais Holocausto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.