Carl de Souza/AFP
Carl de Souza/AFP

Entidade volta atrás e nega suspensão de compras de couro brasileiro

Presidente do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil explicou que foi um 'erro de pré-avaliação' e que corrigiu informação

Isadora Duarte, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2019 | 10h08
Atualizado 28 de agosto de 2019 | 12h41

SÃO PAULO - O presidente-executivo do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), José Fernando Bello, negou que importadores de couro brasileiro vão suspender compras do produto, diferentemente de carta assinada pelo próprio dirigente que circulou na manhã desta quarta-feira, 28. A suspensão teria sido aventada por causa da repercussão internacional das queimadas na Amazônia e da possível associação dos incêndios com a atividade pecuária na região.

Na carta direcionada ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na noite desta terça-feira, 27, o CICB menciona "suspensão de compras de couros a partir do Brasil de alguns dos principais importadores mundiais".

Bello, contudo, disse ao Broadcast Agro que se trata de um "erro de pré-avaliação" da entidade. 

"A carta foi divulgada (pelo próprio CICB) antes da checagem com a empresa importadora", disse Bello. "Esse importador estaria supostamente suspendendo as compras. Foi um equívoco nosso. Vamos corrigir a informação junto ao governo federal."

O presidente do CICB disse também que não há intenção de os importadores boicotarem ou restringirem compras do produto brasileiro. Segundo ele, em contato com o CICB, o importador explicou que vai continuar com os pedidos em andamento, mas que gostaria de "esclarecimento adicionais" sobre a origem e rastreabilidade do produto.

"Recebemos este relato de uma indústria brasileira e, quando esclarecemos o fato com o cliente internacional, obtivemos a informação de que não haverá cancelamentos", acrescentou o presidente do CICB.

Mais cedo, em entrevista ao Broadcast Agro, ele já havia garantido que a exportação de couro não foi interrompida e que os importadores gostariam apenas de mais informações.

De acordo com a entidade, entre as marcas internacionais que já solicitaram esclarecimentos adicionais estão Timberland, Dickies, Kipling, Vans, Kodiak, Terra, Walls, Workrite, Eagle Creek, Eastpack, JanSport, The North Face, Napapijri, Bulwark, Altra, Icebreaker, Smartwoll e Horace Small.

Segundo Bello, todo o couro originado no Brasil passa por processo de rastreabilidade e controle, auditado por órgão internacional.

"Diante desses questionamentos, concedemos ainda garantias adicionais aos compradores quanto ao controle e rastreabilidade do couro brasileiro", relatou.

Confira a lista de 18 marcas citadas na carta

  • Timberland
  • Dickies
  • Kipling
  • Vans
  • Kodiak
  • Terra
  • Walls
  • Workrite
  • Eagle Creek
  • Eastpack
  • JanSport
  • The North Face
  • Napapijri
  • Bulwark
  • Altra
  • Icebreaker
  • Smartwoll
  • Horace Small

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.