Parte da caça nativa de baleias é comercializada na Groenlândia

Informação de que pelo menos 25% das baleias são vendidas foi apresentada pela ONG WSPA

Efe

25 Junho 2008 | 14h50

A Groenlândia comercializa em supermercados pelo menos um quarto da caça nativa de baleia, afirmou nesta quarta-feira, 25, um grupo ambientalista europeu em Santiago do Chile, no marco da 60ª reunião da Comissão Internacional de Caça às Baleias. Veja também:Mudança climática vai extinguir 30% do habitat das baleiasComissão de Caça às Baleias adia questões controversas Chile declara banida caça às baleias em suas águas A informação foi apresentada por Lasse Bruun, encarregado de relações públicas do organismo não-governamental Sociedade Mundial de Proteção dos Animais (WSPA, em inglês), integrada por mais de cem países. Bruun disse aos jornalistas que "pelo menos 25% das baleias caçadas são comercializadas", das 231 cuja caça é permitida para a subsistência das comunidades aborígines. O ativista explicou ainda que a Groenlândia concentra cerca de dois terços da caça nativa em nível mundial, também autorizada às ilhas caribenhas San Vincent e St Kitts, Rússia e Alasca. A Groenlândia, representada pelo delegado da Dinamarca, propôs na terça-feira ao plenário da CBI um aumento da cota de caça aborígine para o país, concretamente a inclusão de dez baleias jubartes cada ano. Lasse Bruun afirmou que isso seria catastrófico porque abre um mau precedente para o futuro quanto à alocação de cotas de caça para subsistência. Atualmente, a Groenlândia caça especialmente baleias das espécies minke e aleta. A CBI proibiu a caça de baleias em 1986, mas estabeleceu cotas para a captura de parte de comunidades aborígines, para as quais são parte importante de sua subsistência e também permite cotas para "caça científica" a alguns países. No entanto, Japão burlou a moratória em vigor desde 1986 com o pretexto de "caça científica" e insistiu em que há muitas espécies de cetáceos que não correm risco e que podem ser capturadas mediante uma atribuição de cotas.

Mais conteúdo sobre:
baleiaschile

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.