Para vizinhos, Brasil deveria ver água como direito humano

Vários países se mostraram descontentes com a posição dos brasileiros, negariam debater o assunto

Efe,

19 Março 2009 | 18h26

O fato de o Brasil, ao lado de Estados Unidos, Egito e Turquia, não reconhecer o acesso à água como um direito humano básico causou certo mal-estar no 5º Fórum Mundial da Água, realizado esta semana em Istambul.

 

Veja também:

linkEstados e empresas divergem sobre gestão da água

linkDesavenças marcam segundo dia do Fórum Mundial da Água

linkCrise pode retardar avanço da água potável, diz Banco Mundial

linkVergonha de falar em saneamento barra avanços, dizem ONGs

link Fórum Mundial da Água começa com 17 prisões na Turquia

 

Vários países da América Latina, como Bolívia, Equador, Venezuela, Cuba e Uruguai, além de Suíça e Espanha, se mostraram descontentes com a posição dos brasileiros, que estariam se negando a debater o assunto.

 

O motivo do descontentamento destas nações tem origem em uma mudança na declaração ministerial, na qual a água passou a ser declarada como "necessidade humana básica", ao invés de "direito humano básico", reduzindo as implicações políticas do documento.

 

Fontes diplomáticas explicaram à Agência Efe que esta mudança provocou mal-estar na "maioria" dos países presentes em Istambul, que pediram a reabertura do debate durante o fim de semana, com a chegada dos representantes ministeriais.

 

Brasil, EUA, Egito e Turquia estariam se negando a reabrir o diálogo e teriam bloqueado qualquer possibilidade de mudança.

 

"O Brasil não quer reconhecer publicamente que se opõe à declaração da água como um direito humano básico", disseram as fontes à Efe.

 

Os países críticos ainda se mostraram descontentes com o fato de o Fórum Mundial da Água ser organizado por uma instituição privada, como o Conselho Mundial de Água.

 

"É muito triste que os Governos se submetam a um conselho privado dominado por grandes empresas", disse um assessor do Ministério das Relações Exteriores da Bolívia.

Mais conteúdo sobre:
Fórum Mundial da Água

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.