Para Polícia Ambiental, fenômeno natural causou morte de peixes no Pantanal

A "dequada" é um fenômeno natural que retira o oxigênio da água fazendo com que os peixes não consigam respirar

Agência Brasil

02 de fevereiro de 2011 | 20h07

A morte de milhares de peixes no Rio Negro, na região do Pantanal de Mato Grosso do Sul, já está sendo investigada pela Polícia Militar Ambiental (PMA) e pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul). Há cerca de uma semana os moradores da região perceberam um grande número de peixes mortos no rio e alertaram as autoridades.

“Suspeitamos que tenha acontecido o fenômeno da 'dequada', porém, o que assusta os moradores da região é que nunca aconteceu nessa quantidade”, disse o capitão da PMA, Ednilson Queiroz, explicando que a “dequada” é um fenômeno natural que retira o oxigênio da água fazendo com que os peixes não consigam respirar e morram.

Ednilson conta que policiais e técnicos do Imasul foram enviados ao local onde colheram amostras e enviaram para análise. “Só a análise vai poder determinar com exatidão o que aconteceu. Teremos o resultado em sete dias, mas, de acordo com o que os técnicos conseguiram ver, possivelmente tenha sido a 'dequada' mesmo.”

“Se houvesse algum tipo de envenenamento, como suspeitam alguns moradores, os peixes continuariam morrendo. Na 'dequada', chega um determinado momento que essas mortes param de acontecer. Esse fenômeno é natural no Pantanal, todos os anos acontece. É claro que não é comum morrer aquela quantidade de peixes, mas pode ser uma coincidência natural.”

De acordo com o capitão, não é possível calcular a quantidade exata de peixes mortos, pois quando os técnicos chegaram ao local, eles já estavam espalhados. Ele acrescenta que todas as possibilidades serão investigadas.

Tudo o que sabemos sobre:
Pantanalmortepeixesfenômeno natural

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.