Papel feito de fezes de marsupial vira atração na Austrália

Produto feito de fezes de wombats, marsupial que só existe no país, faz sucesso entre turistas.

Phil Mercer, BBC

20 Abril 2009 | 08h42

As fezes dos wombats - um marsupial parente do coala e que só existe na Austrália - estão ajudando uma cidade industrial a combater os efeitos da crise global financeira.

A cidade, Burnie, no noroeste da Tasmânia, testemunhou o fechamento de vários postos de emprego, mas uma atividade local vai muito bem: a produção e venda do papel feito das fezes do animal e que se tornou um sucesso entre os turistas da área.

Nos últimos anos, a empresa Creative Paper vinha experimentando com papel feito a base de fezes de cangurus, mas sua popularidade foi ofuscada pelos produtos dos wombats - bichinhos peludos e gordinhos, um dos símbolos do país.

O gerente da Creative Paper, Darren Simpson, disse que o processo de manufatura pode ser bem desagradável.

"Quando estamos fervendo (as fezes), o cheiro é horrível, mas uma vez esterilizado e lavado propriamente, não sobra nenhum odor. Se tem qualquer cheiro, é um agradável cheiro orgânico", disse ele.

Ele acrescentou que foram os próprios turistas que sugeriram o uso das fezes dos wombats.

"Quando as pessoas vinham aqui e nós mostrávamos a elas as amostras de nossos papéis, elas faziam perguntas como: 'você pode fazer o papel com fezes de coalas ou ovelhas?'. E o bicho que mais aparecia nas perguntas era o wombat."

Todo o papel é feito das fezes de apenas um wombat, chamado Nugget, que vive em um parque de vida selvagem perto de Cradle Mountain, um dos destinos turísticos mais populares da Tasmânia.

Todos os dias, as fezes de Nugget são coletadas e enviadas para a fábrica.

Os wombats são herbívoros e sua dieta cheia de fibras alimentares torna suas fezes ideais para fabricar um dos papéis mais incomuns da Austrália. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.