Max Rossi / Reuters
Max Rossi / Reuters

Papa critica fracasso mundial em acordo climático na COP-15

Bento XVI condenou a 'resistência política' entre os líderes mundiais durante as negociações na cúpula da ONU

AE-AP, Agencia Estado

11 Janeiro 2010 | 11h23

O papa Bento XVI denunciou nesta segunda-feira, 11, o fracasso dos líderes mundiais para se chegar a um novo tratado de combate às mudanças climáticas. Segundo o pontífice, a paz mundial depende da salvaguarda responsável da criação de Deus. "Para cultivar a paz, deve-se proteger a criação!" Bento XVI realizou a advertência durante um discurso para embaixadores no Vaticano.

 

Veja também:

linkChina diz ter alcançado meta individual em linkCopenhague

Obama quer aprovar lei de mudanças climáticas nos EUA

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono 

O líder religioso criticou a "resistência política" entre líderes mundiais durante as negociações do mês passado em Copenhague. Ele disse esperar que os próximos encontros produzam mais frutos.

 

O papa lembrou que o assunto é crucial para as nações insulares e lugares como a África, onde a luta pelos recursos leva a guerras. O pontífice pediu um novo começo para os esforços agrícolas no Afeganistão e na América Latina, para que incluam a luta contra o narcotráfico.

 

Despesas militares

 

O também criticou o aumento das despesas militares e o desenvolvimento dos arsenais nucleares. Bento XVI disse que as grandes quantias de dinheiro investidas em armas "poderiam ser destinadas ao desenvolvimento dos povos mais pobres".

 

O papa defendeu um "desarmamento progressivo, que tenda a libertar o planeta de armas nucleares" e disse que "lamenta" que a produção e a exportação de armas contribuam para perpetuar conflitos e violências, como em Darfur (Sudão), Somália ou na República Democrática do Congo.

 

Bento XVI condenou o terrorismo, pediu aos iraquianos para superar as divisões e, em referência ao Irã, disse que "espera" que, através do diálogo, "sejam encontradas soluções comuns".

 

(Com agência Efe)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.