Países ricos oferecem cortes de 15% a 20% em CO2 até 2020

Números ficam aquém dos cortes tidos como necessários, por cientistas, para evitar as piores consequências

Reuters,

11 Agosto 2009 | 17h08

Os países industrializados, com exceção dos Estados Unidos, planejam cortes em suas emissões de gases causadores do efeito estuda de 15% a 20% sobre os níveis de 1990 até 2020, sob os termos de um novo acordo das Nações Unidas que deve ser assinado em dezembro na Dinamarca.

 

Veja também:

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

Os números oficiais, divulgados por delegados à reunião preparatória realizada pelas Nações Unidas ao longo desta semana na Alemanha, ficam aquém dos cortes de 25% a 40% tidos como necessários, por cientistas, para evitar as consequências mais devastadoras do aquecimento global.

 

"Emissões... deverão ficar entre 15% e 21% abaixo os níveis de 1990 até 2020", disse o secretariado de clima da ONU a respeito dos números, compilados a partir dos planos sugeridos por países como Rússia, Japão, Canadá e os membros da União Europeia.

 

As emissões totais das 39 nações altamente industrializadas, com base nos planos existentes, cairiam em 2020 ao equivalente a algo entre 10,71 bilhões de toneladas de CO2 e 9,86 bilhões de toneladas de CO2 em 2020, ante 12,53 bilhões emitidas em 1990.

 

Os dados excluem os EUA, maiores emissores mundiais de gases do efeito estufa depois da China.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.