Países ricos devem cortar 80% de emissões de carbono, diz Stern

Os países ricos devem se comprometer acortar em até 80 por cento suas emissões de carbono até 2050, eas nações em desenvolvimento devem concordar que até 2020também terão de estabelecer metas de corte, disse o economistaNicholas Stern nesta quarta-feira. Stern afirmou que a única maneira de se derrotar a crise deaquecimento global seria garantir que as emissões globais decarbono fossem fixadas em 20 bilhões de toneladas métricas porano até 2050, e cortadas para 10 bilhões depois. "Há uma necessidade de rapidez para isso. O mundodesenvolvido deve dar exemplos", disse Stern em um encontropara lançar seu novo trabalho sobre o aquecimento global "KeyElements of a Global Deal on Climate Change". O mercado mundial de carbono teria de ser expandido emelhorado, investimentos em pesquisa e desenvolvimento detecnologias de minimização do uso de carbono deveriam serfeitos, e as nações desenvolvidas deveriam suportar asdificuldades e ajudar nações mais pobres a entraremgradualmente em um era de baixo uso do carbono. Stern disse que o mundo em desenvolvimento, onde crescem asemissões com a expansão das economias, deveria ter um tempopara se preparar para assinar termos de corte, mas com umlimite até o ano de 2020, quando começariam também a reduzirsuas emissões.

JEREMY LOVELL, REUTERS

30 de abril de 2008 | 18h18

Tudo o que sabemos sobre:
CLIMASTERNCARBONO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.