Países pobres precisam de US$ 1 bi para projetos climáticos

Verbas do fundo seriam liberadas de acordo com planos de 38 países paupérrimos para combater o aquecimento

Megan Rowling, Reuters

10 Dezembro 2008 | 17h24

Os países ricos serão convidados a doar 1 bilhão de dólares para um fundo destinado a promover projetos urgentes de adaptação das nações mais pobres às mudanças climáticas, disse uma autoridade nesta quarta-feira, 10.    Veja também: Países chegam a acordo sobre metas para tratado pós-KyotoBrasil fica em 8º lugar em índice de mudança climáticaMundo não espera Europa para acordo climático, diz De BoerUE enfraquece luta contra aquecimento, dizem ambientalistasEstudo diz que mercado de gases estufa cresceu 41% em 2008Mudança climática pode elevar número de refugiados, diz ONUPlano federal prevê queda de 70% no desmatamento até 2018Entenda a reunião sobre clima da ONU na Polônia Quiz: você tem uma vida sustentável?  Evolução das emissões de carbono   Acompanhe a reunião de Poznan Andrei Netto fala sobre a reunião de Poznan  Andrei Netto fala sobre a reunião de Poznan (2)  Página oficial da conferência  Boni Biagini, diretora do Fundo dos Países Menos Desenvolvidos (FPMD), criado em 2001 pela ONU, disse que as verbas seriam liberadas com base nos planos de 38 países paupérrimos. "Eles estão bastante satisfeitos com essa quantia. Dizem que 2 bilhões de dólares seria melhor, mas vamos começar com 1 bilhão pelo menos, e naturalmente ampliar", disse ela à Reuters em Poznan, Polônia, onde acontece uma reunião da ONU sobre a mudança climática. Outros dez países ainda preparam programas de adaptação às mudanças climáticas. O FPMD foi estabelecido sob os termos da Convenção-Quadro da ONU sobre a Mudança Climática, e é administrado pela Unidade Ambiental Global, que já financia importantes projetos ambientais internacionais. Até agora, os países ricos prometeram apenas 172 milhões de dólares para o fundo. Alemanha, Dinamarca, Grã-Bretanha e Holanda foram os que mais contribuíram. Os EUA ainda não se mobilizaram, mas Biagini disse estar confiante de que isso mude com a posse do presidente Barack Obama, em janeiro. "É a maior economia no mundo, e este é um fundo para os pobres (...). Então faço meu apelo aos Estados Unidos da América para que dêem uma contribuição aos pobres", afirmou. De acordo com Biagini, os EUA no passado se negaram a colaborar argumentando incorretamente que o fundo seria parte do Protocolo de Kyoto, que Washington não ratificou. Saleemul Huq, especialista em adaptação climática do Instituto Internacional para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, disse que os EUA poderiam fazer doações porque o fundo é parte da Convenção-Quadro da ONU, da qual Washington faz parte. "Obama tem uma oportunidade de ouro para se afastar do passado absolutamente sem-vergonha do (governo de George W.) Bush, fazendo uma grande contribuição, de talvez 100 milhões de dólares ou mais", afirmou ele. Muitos países pobres se queixam da demora no acesso às verbas do fundo. Até agora, só um projeto foi iniciado, no Butão, voltado para a contenção de lagos glaciais que podem transbordar em caso de degelo excessivo. Quamrul Islam Chowdhury, negociador de Bangladesh, disse à Reuters que há um consenso em Poznan sobre a necessidade de uma maior coordenação para acelerar o processo. Biagini disse que há 24 projetos prestes a serem implementados, inclusive as medidas para proteger as áreas costeiras da elevação dos mares e para ajudar agricultores a se ajustarem à imprevisibilidade do tempo.

Mais conteúdo sobre:
Poznanaquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.