Países impõem restrições ao turismo na Antártica

Entre medidas aprovadas pelo Tratado da Antártica estão o limite no número de passageiros em cruzeiros.

BBC Brasil, BBC

18 Abril 2009 | 15h00

Os países signatários do Tratado da Antártica - criado há 50 anos para proteger o continente - adotaram as propostas feitas pelos Estados Unidos para limitar o turismo na região, em uma tentativa de proteger o frágil ecossistema local.

Os países concordaram em limitar o número de cruzeiros e de turistas levados ao continente, em uma reunião na cidade americana de Baltimore, na sexta-feira.

A decisão foi tomada depois do recente aumento do número de visitantes e de acidentes com cruzeiros marítimos na região.

O número de visitas à Antártica aumentou de 6,7 mil, entre os anos de 1992 e 1993, para 45 mil na última temporada.

A decisão se tornará um requerimento legal depois que for ratificada pelos 28 países signatários - entre eles o Brasil.

Encalhados

As restrições não preveem um mecanismo de penalização para quem não respeitá-las, mas pede aos países signatários que evitem que navios com mais de 500 passageiros aportem no continente, e pede que eles permitam que apenas cem passageiros desçam à terra firme de cada vez.

Outra resolução adotada no encontro cria um código de segurança para os navios operando na região, enquanto uma terceira resolução aumenta a proteção ambiental de todo o ecossistema antártico.

Dois navios encalharam na Antártica durante a temporada de 2008-2009 e autoridades documentaram vários incidentes que trouxeram risco de contaminação ao continente.

O pior acidente na região foi o naufrágio do cruzeiro M/S Explorer em novembro de 2007.

A Antártica é um habitat único para várias espécies de pinguins e uma importante base para outros animais, como focas, além de ser vital para a alimentação de baleias. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.