Países europeus não devem comprar madeira brasileira, diz ONG

Greenpeace cobra ações de França e Bélgica para suspender compra de matéria-prima da Amazônia; estudo apontou que madeireiros estariam fraudando documentos

Andrei Neto, correspondente em Paris, O Estado de S. Paulo

16 Maio 2014 | 15h03

A organização não-governamental Greenpeace exortou nessa quinta-feira, 15, importadores de madeira de países como a França e a Bélgica a suspenderem as compras de matérias-primas provenientes da Amazônia. O grupo ambientalista acusa os produtores de madeira do Brasil de fraudar documentos que garantem a legalidade do abate de árvores. As autorizações são um pré-requisito para o ingresso da madeira na Europa.

Como divulgou o Estado, o relatório apresentado pela ONG na quinta, em Paris e no Rio, aponta que madeireiras brasileiras manipulam planos de manejo com o objetivo de "lavar" a origem ilegal do produto, extraído de reservas ambientais que deveriam ser conservadas. Os desmatadores mentiriam sobre número de espécies raras e da altura das árvores em áreas de preservação, fraudando os inventários florestais.

Com os documentos em mãos, é possível exportar madeira para a Europa obedecendo o novo quadro regulamentar do bloco econômico, que desde março de 2013 exige a traçabilidade da madeira. Na prática, 78% da madeira exportada entre agosto de 2011 e julho de 2012 teria origem ilegal. "A investigação que fizemos prova que os importadores não fizeram o que a legislação europeia exige, o Deal Diligence. Os documentos podem corresponder a madeira ilegal", disse ao Estado Jérôme Frignet, coordenador da campanha Florestas do Greenpeace na França, que reclamou da inação do poder público no Brasil e na Europa. "A legislação europeia considera que o Brasil não é um país de risco. Mas a documentação que em teoria legaliza a madeira importada pode facilmente ser burlada."

O Greenpeace anunciou ter protocolado uma denúncia no Ministério Público do Pará, na Secretaria de Meio Ambiente do mesmo Estado e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Além disso, a ONG exortou os governos da França e da Bélgica, os dois maiores importadores europeus de madeira do Brasil, a aprimorar os mecanismos de controle sobre a madeira extraída da Amazônia.

"A indústria da madeira colocou em prática muitas técnicas para transportar e vender madeira abatida ilegalmente graças a documentos oficiais. A partir de então os importadores não podem ter certeza sobre a legalidade da madeira que eles compram", afirmou à agência de notícias Belga Jonas Hulsens, responsável pela campanha no Greenpeace da Bélgica.

A divulgação do relatório, realizado a partir de dois anos de investigação, segundo a ONG, veio acompanhada do lançamento de uma campanha "Chega de madeira ilegal", contra o tráfico na Amazônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.