Países do G8 adotam limite de 2ºC para aquecimento global

Nações ricas também aceitam objetivo de cortar emissões de CO2 em 80% até 2050; base pode ser 1990

Associated Press,

08 Julho 2009 | 15h57

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, uniu-se a outros líderes mundiais nesta quarta-feira, 8, ao apoiar novas metas para o combate ao aquecimento global, uma atitude que a Casa Branca, sob George W. Bush, recusava-se a adotar.

 

Veja também:

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

Representantes do governo dos EUA confirmam que Obama concordou com uma linguagem, na declaração final da reunião das oito maiores economias industriais do mundo, o G8, que apoia a meta de impedir que a temperatura global suba mais que 2º C.  Não está claro, porém, como essa meta poderá ser atingida, com países em rápida industrialização, como Índia e China, tendendo a consumir cada vez mais combustíveis fósseis.

 

Especialistas dizem que o limite de 2º C não elimina o risco de um efeito estufa descontrolado, mas ajuda a reduzi-lo. Mesmo uma elevação mínima nas temperaturas médias globais pode causar o caos na produção agrícola global.

 

Os líderes do G8 também concordaram em uma meta de reduzir as emissões dos gases causadores do efeito estufa em 80% no mundo desenvolvido. Esta seria a contribuição dos países ricos para a meta global de queda de 50%, no mesmo prazo.

 

O conselheiro da Casa Branca,  Mike Froman, disse que o governo acata a meta não obrigatória, e que a base de comparação para auferir as reduções poderia ser o ano de 1990.

 

As duas metas não constarão da declaração conjunta das 17 maiores economias, porque as nações em desenvolvimento que fazem parte desse grupo mais amplo temem o impacto das reduções em suas economias, e buscam garantias de investimento e  transferência de tecnologia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.