Países africanos boicotam reunião sobre efeito estufa

A ação forçou o cancelamento de diversas reuniões técnicas durante a semana de discussões

Associated Press,

03 Novembro 2009 | 17h12

Nações africanas boicotaram reuniões nas conversações desta terça-feira, 3, sobre a mudança climática patrocinadas pelas nações Unidas em Barcelona. Os africanos dizem que os países industrializados estão assumindo metas muito baixas de corte dos gases causadores do efeito estufa.

 

Anúncio de metas brasileiras pode não sair dia 14, diz Dilma

Governos cobram participação mais efetiva dos EUA

 

A ação forçou o cancelamento de diversas reuniões técnicas durante a semana de discussões. Delegados advertiram que, a menos que o protesto africano seja resolvido, haverá atrasos no cronograma para o novo acordo das Nações Unidas sobre a mudança climática, que deve ser firmado na Dinamarca no início de dezembro.  

 

Cerca de 50 nações africanas afirmam que só discutirão promessas feitas por países ricos, e que as conversações sobre outros temas, incluindo compensações por emissão de carbono e a colaboração dos países pobres, só deve avançar depois de um compromisso definido das nações industrializadas.

 

"Não acho que conseguiremos resultados do jeito que estamos indo agora", disse o negociador argelino Kamel Djemouai, que preside o grupo africano. "Não podemos prejulgar o que acontecerá depois antes de vermos a reação dos demais".

 

Esta é a primeira vez em que os africanos adotam uma ação coordenada nas conversações das Nações Unidas sobre clima, mas eles vêm ajustando sua posição ao longo do último ano, para garantir uma posição de unidade na escalada para a reunião de Copenhague, disse Antonio Hill, da Oxfam Internacional.

 

O boicote africano inviabilizou apenas parte das negociações em curso, que operam em duas fases paralelas. As conversações sobre a forma geral de um acordo para o financiamento dos países pobres continuaram sem interrupção.

 

Um grupo maior, de 130 nações em desenvolvimento, apoiou a ação da ala africana, com o objetivo de "focar o pensamento" dos países desenvolvidos na questão mais importante, disse o representante sudanês  Lumumba De-Aping. Ele lembrou que boicotes são uma tática comum de negociação, e não representam, necessariamente, o fracasso do debate.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.