Tony Cenicola / The New York Times
Tony Cenicola / The New York Times

País do Pacífico Sul proibirá fraldas descartáveis para combater poluição

Vanuatu é um dos países mais diretamente prejudicados pelas mudanças climáticas em razão do aumento do nível do mar e das temperaturas

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2019 | 07h37

WELLINGTON - Vanuatu, um país insular do Pacífico Sul muito vulnerável às mudanças climáticas, proibirá as fraldas descartáveis a partir do dia 1.º de dezembro para lutar contra a poluição.

O ministro das Relações Exteriores, Ralph Regenvanu, anunciou a decisão esta semana durante uma conferência na capital do país, Port Vila. A medida também afetará os copos e talheres de plásticos, assim como o poliestireno, palitos de plástico e vários tipos de embalagens para alimentos.

Segundo o Regenvanu, um estudo demonstrou que as fraldas de apenas um uso são o objeto mais comum nos resíduos domésticos na capital do país. "Proibi-las reduzirá consideravelmente a quantidade de resíduos plásticos", afirmou o ministro no Twitter.

Vanuatu é um dos países mais diretamente prejudicados pelas mudanças climáticas em consequência do aumento do nível do mar e das temperaturas. Por este motivo, adota uma política ambiental agressiva. Em 2018, o país proibiu as sacolas de plástico descartáveis. 

As fraldas descartáveis, que não podem passar por uma compostagem e não são biodegradáveis, representam um desafio para o meio ambiente porque contêm plástico e substâncias químicas. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Vanuatu [Oceania]poluição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.