Polícia Federal
Polícia Federal

Operação de PF e Ibama contra garimpo no Pará destrói máquinas avaliadas em R$10 milhões

Objetivo das ações é reprimir atividades de garimpo ilegal no Rio Tapajós e reprimir outros crimes ambientais que impactam na região de Alter do Chão

André Borges, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2022 | 18h19

BRASÍLIA – As ações de combate ao garimpo ilegal realizadas pela Polícia Federal e o Ibama no Pará prosseguem nesta quinta-feira, 17, com incursões na região de Jacareacanga, município que é cortado pelo Rio Tapajós. As máquinas de grande porte, balsas, equipamentos, veículos e suprimentos inutilizados até agora tem valor estimado em R$9,97 milhões. 

As ações, que tiveram início na segunda feira, 14, quando a PF deflagrou a Operação Caribe Amazônico, nas proximidades da terra indígena Munduruku, do Pará. O objetivo das ações é reprimir atividades de garimpo ilegal no Rio Tapajós, por meio da apreensão de materiais e destruição de maquinários utilizados na prática ilegal, além da repressão de outros crimes ambientais que impactam na região de Alter do Chão.

Nesta quinta-feira, os policiais e agentes do Ibama chegaram em um vilarejo conhecido como Vila Rica, dentro do município de Jacareacanga. A região é conhecida pela extração ilegal de ouro e madeira. Houve destruição de máquinas no local. Para dispersar manifestantes, foram utilizadas bombas de gás e houve correria na vila. 

Ontem, a operação contabilizou a destruição e apreensão de 17 escavadeiras hidráulicas na região, 26 motores-bomba, duas antenas de satélite, duas motos, um carro, uma balsa, três geradores e um trator esteira. Foram ainda destruídos 14 acampamentos e 39 mil litros de combustível.

Como mostrou o Estadão, o deputado federal José Priante (MDB-PA), primo do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), criticou as ações contra o garimpo ilegal e disse que a operação “é um espetáculo que está sendo feito”, ao referir-se à queima dos equipamentos. “Salvo o Greenpeace, qualquer pessoa se assusta com uma atitude dessa. É uma operação de guerra, uma ação hollywoodiana”, comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.