Operação do Ibama descobre 5 mil m³ de madeira ilegal no PA

De acordo com o Ibama, estoque estava em duas balsas que navegavem pelos rios Anapu e Pracuru

Fabiana Marchezi, estadao.com.br

22 Agosto 2008 | 16h54

Fiscais da Operação Guardiães da Amazônia do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), descobriram na terça-feira, 19, um estoque ilegal de aproximadamente 5 mil metros cúbicos de madeira em tora ao norte do município de Anapu, centro-oeste do Pará.  As toras foram localizadas por meio do rastreamento de informações, que levou a equipe do Ibama ao encontro de duas balsas transportando madeira ilegal pelos rios Anapu e Pracuru. De acordo com o Ibama, os fiscais utilizaram um helicóptero para sobrevoar os rios e, com a aproximação das balsas, eles saltaram nas embarcações para averiguar os documentos de transporte e origem das madeiras carregadas. Ao confirmarem as irregularidades, retiveram os documentos de ambas e solicitaram apoio da polícia militar para a retirada das embarcações do local. Segundo o coordenador da operação, Alessandro Queiroz, quando retornaram na manhã de quarta-feira, 20, a equipe constatou a fuga de uma das balsas, que na avaliação do coordenador, deve ser encontrada em breve.  "Nossas investigações vão localizar a balsa que empreendeu fuga e, quando isso acontecer, o responsável terá que arcar com autuação correlata ao volume de madeira ilegal transportada, além de ter toda a carga apreendida, embarcação, bem como ser autuado por obstrução à fiscalização ambiental, cujo valor pode chegar a R$100 mil", afirma Queiroz. Na balsa que já foi apreendida, os fiscais encontraram cerca de 400 metros cúbicos de madeira ilegal. O responsável será autuado pelo transporte ilegal de matéria prima florestal sem cobertura legal. Queiroz ainda conta que essas balsas retiravam a madeira de pátios às margens das florestas ao norte de Anapu, que se estendem por vários ramais que circundam toda a floresta. A balsa foi conduzida para o Escritório do Ibama em Breves, por conta da proximidade geográfica, para os procedimentos de cubagem e conseqüente aplicação de multa referente ao volume exato de madeira apreendida, e seguirá para Belém nos próximos dias, agora sob a guarda do Ibama, carregando as madeiras do pátio de estocagem ilegal, para destinação adequada que será conduzida pelo próprio Instituto ou pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Pará (Sema). Essa ação é resultado da Guardiães da Amazônia, que está sendo realizada em Altamira desde o dia 26 de maio. A Operação visa atuar contra o desmatamento na região amazônica, visando fiscalizar toda sua cadeia, desde a retirada ilegal de árvores, transporte, até o consumidor final. Quanto à balsa foragida, o Ibama continua as buscas com o apoio da Polícia Militar.

Mais conteúdo sobre:
meio ambienteIbama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.