ONU sugere corte de 30% nas emissões de países ricos até 2020

Documento recomenda redução para o mundo ter 50% de chance de evitar aquecimento previsto de 2 graus

REUTERS

17 Dezembro 2009 | 16h36

Cientistas da ONU sugerem que os países ricos devem cortar as emissões de gases-estufa em 30% até 2020, em relação aos níveis de 1990, a fim de evitar a mudança climática, mostrou um documento que vazou para a imprensa.

 

Veja também:

linkChina refuta monitoração externa de metas de redução de CO2

linkLula pede 'ambição' no corte de emissões em discurso na COP

linkNegociação de acordo é retomada 

linkEUA propõem US$100 bi/ano para fundo 'verde'

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especial COP-15, acompanhe os principais fatos

especial Glossário sobre o aquecimento global

especial Entenda as negociações do novo acordo  

especialRumo à economia de baixo carbono  

O documento dos cientistas especializados em clima da Organização das Nações Unidas (ONU), datado de 15 de dezembro, recomenda cortes de 25% a 40% para dar ao mundo uma chance de 50% de ficar abaixo do aumento previsto de 2 graus Celsius na temperatura, o que pode implicar em mudanças mais severas, com mais enchentes, secas e aumento do nível do mar.

Segundo o documento da ONU, as propostas dos países ricos não são suficientes para a temperatura global ficar dentro do objetivo de 2 graus Celsius. Outros passos são possíveis e necessários, sinaliza.

"Isso poderia ser feito por meio do aumento das reduções de emissões agregadas pelas partes do Anexo 1 (países ricos) para pelo menos 30% abaixo da linha de base dos níveis de 1990", de acordo com o documento visto pela Reuters nesta quinta-feira.

Ainda, para alcançar os 2 graus, os países em desenvolvimento devem "reduzir suas emissões em no mínimo 20% abaixo do nível habitual", disse.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU sugeriu cortes de 15% a 35% abaixo dos níveis atuais até 2020.

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTEONUEMISSOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.