ONU racha sobre como negociar o tratado do clima em 2010

ONU racha sobre como negociar o tratado do clima em 2010

Divergências entre países ricos e em desenvolvimento travam as negociações do tratado

Reuters

09 Abril 2010 | 14h45

BONN - Divisões surgiram nesta sexta-feira, 9, na primeira reunião climática da ONU desde a áspera cúpula de Copenhague, em meio a debates sobre como retomar as negociações neste ano - e com poucos delegados prevendo avanços no combate ao aquecimento global durante 2010.

 

Veja também:

linkPaíses que mais poluem se reunirão nos EUA para discutir aquecimento global 

linkSatélite europeu para estudar mudança climática é lançado

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono  

 

Negociadores dos 175 países envolvidos pediram esforços pela retomada da confiança entre países ricos e pobres, mas nenhum deles anunciou concessões que pudessem contribuir com tal fim. Em dezembro, divergências entre nações desenvolvidas e em desenvolvimento foram determinantes para que a cúpula de Copenhague terminasse sem a adoção de um novo tratado climático de cumprimento obrigatório.

 

Em frente ao local da conferência, ambientalistas despejaram cerca de quatro toneladas de cacos de vidro no chão, junto com uma placa com a palavra "Copenhague" e um cartaz dizendo "Recolham os pedaços".

 

Preparação para a COP-16

 

A reunião de Bonn, de sexta-feira a domingo, deve definir quantos encontros extraordinários acontecerão antes da conferência ministerial anual marcada para 29 de novembro a 10 de dezembro em Cancún, no México.

 

A maioria deseja duas ou três sessões extras, o que seria abaixo do que ocorreu em 2009, mas pouca gente falou em buscar um acordo vinculante já em 2010 - a maioria acha que isso ficará para 2011, quando a reunião ocorre na África do Sul.

 

"O grupo africano acredita que a nossa prioridade deve ser restaurar a verdade, reconstruir a confiança e portanto resgatar o processo", disse Nsiala Tosi Bibanda Mpanu Mpanu, da República Democrática do Congo, em nome dos países africanos.

 

Países como Arábia Saudita, Bolívia, Venezuela e Cuba disseram que há risco de que se repita o erro cometido nos preparativos para Copenhague, quando as propostas foram definidas por poucas nações - ignorando muitas das 194 nações filiadas à ONU. Esse complicado processo se destina a definir um tratado que substitua o Protocolo de Kyoto, que expira em 2012.

 

"Pequenos grupos informais foram reunidos e estão se proliferando (...), autosselecionados para produzirem um acordo por trás das costas dos outros", disse a delegada venezuelana, Claudia Salerno.

 

O México convocou uma reunião informal com um grupo de cerca de 40 países-chave - muitos consideram que o processo fica inviável com 194 participantes. Os EUA realizarão na semana que vem um encontro com 17 países responsáveis por 80% das emissões globais de gases do efeito estufa.

 

A cúpula de Copenhague terminou com um acordo que não é de cumprimento obrigatório, mas recebeu apoio de cerca de 120 nações. Sem maior detalhamento, ele estabelece metas para a limitação do aquecimento global a 2 graus Celsius acima dos limites pré-industriais, e também prevê verbas de curto prazo para ajudar os países em desenvolvimento a se adaptarem e mitigarem o problema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.