ONU pede mais recursos contra desastres da mudança climática

Catástrofes estão aumentando e vão continuar aumentando em um futuro próximo, disse subsecretário

EFE,

15 Outubro 2009 | 14h21

As Nações Unidas pediram à comunidade internacional que multiplique os recursos financeiros, técnicos e humanos para combater as crescentes catástrofes naturais provocadas pela mudança climática e agravadas pelo crescimento demográfico.

 

linkAquecimento pode reduzir PIB de países em até 20%, diz estudo

link Derretimento no Ártico pode afetar 25% da população mundial

link Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

link Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

especialExpansão econômica vs. sustentabilidade

 

Assim disse o subsecretário-geral das Nações Unidas para Assuntos Humanitários, John Holmes, Jacarta, onde advertiu que as catástrofes naturais vinculadas ao aquecimento global "continuarão aumentando" em um futuro próximo.

 

"A mudança climática está causando mais e mais intensos desastres naturais. Estas (catástrofes) estão aumentando e vão continuar aumentando em um futuro próximo", disse Holmes.

 

"Precisamos nos preparar para garantir que poderemos enfrentá-las, porque as necessidades aumentarão. Temos que estar certos de que nossas capacidades e os recursos financeiros internacionais também vão junto", acrescentou o especialista.

 

Segundo ele, "o melhor investimento" para combater os desastres naturais é trabalhar na "redução do impacto" de catástrofes, como evitar a construção em áreas com tendência a inundar e conscientizar as pessoas mais vulneráveis.

 

Holmes reconheceu, no entanto, que a mudança climática não é o único fator, e apontou como agravantes o "aumento demográfico", a crescente "urbanização" e "a pobreza", fenômenos que confluem nas grandes capitais dos países emergentes.

 

 O responsável de Assuntos Humanitários da ONU, em visita à Indonésia para avaliar os danos causados pelo terremoto de 7,6 graus na escala Richter que atingiu Sumatra em 30 de setembro, disse que a situação na área "continua grave", mas "sob controle".

 

Destacou que as áreas mais afetadas são as zonas rurais, devido aos problemas de acesso, mas acrescentou que a ajuda internacional, que deu uma "boa resposta" ao terremoto, já está chegando a estes pontos.

 

Holmes disse que, nesses lugares, são necessários abrigos para as 450 mil pessoas que ficaram sem casa, novas infraestruturas médicas e sistemas de água e saneamento.

 

"O elemento-chave é construir melhor, mais seguro, porque haverá uma próxima vez. É preciso estar certos de que faremos isso bem", afirmou Holmes.

 

O subsecretário da ONU disse que, nas próximas semanas, será concluída uma avaliação geral de danos e necessidades promovida pelas Nações Unidas, Banco Mundial e Banco Asiático de Desenvolvimento, que estimará o valor econômico da reconstrução e seus prazos.

 

A Cruz Vermelha estimou que o balanço final de mortos neste terremoto na Indonésia ficará em mais de 3 mil pessoas, das quais foram resgatados de entre os escombros, até o momento, cerca de mil cadáveres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.