ONU já admite que ajuda a países pobres fique fora do acordo

Secretário-geral diz que valor de financiamento de longo prazo pode ser discutido 'no ano que vem'

15 Dezembro 2009 | 19h53

O jornal inglês Financial Times destacou em seu site que a Organização das Nações Unidas já admite que o acordo sobre mudança climática em Copenhague exclua números sobre a prometida ajuda financeira a países em desenvolvimento. Para o jornal , “isso deve enfurecer nações mais pobres e dificultar a negociação de um documento mais abrangente.”

“Podemos discutir essa questão no ano que vem”, disse ao FT o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, referindo-se ao financiamento. Países em desenvolvimento têm insistido que qualquer acordo em Copenhague inclua garantias de que eles receberão pelo menos US$ 100 bilhões anuais em fundos para adaptação climática até 2020.

“Não estou certo (de que os delegados cheguem a um número sobre financiamento de longo prazo)”, disse Ban. “Não acho que a questão do número exato seja o principal ponto do acordo em Copenhague. Há muitos itens importantes.”

Para o FT, a entrevista de Ban, concedida às vésperas da chegada de cerca de 130 chefes de Estado à capital dinamarquesa, pode emperrar ainda mais as negociações, a apenas três dias do encerramento da conferência. Ban, porém, viu motivos para otimismo em outra proposta de financiamento, muito mais modesta: a de que países ricos repassem de forma emergencial US$ 10 bilhões anuais a nações pobres pelos próximos três anos. “É um bom começo”, disse o secretário-geral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.