Arindam Dey / AFP
Arindam Dey / AFP

ONU estima 5 bilhões vivendo em risco de escassez hídrica até 2050

Relatório mundial lançado nesta segunda alerta que somente o investimento em infraestrutura não vai resolver o problema e recomenda que se busquem as soluções baseadas na natureza

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

19 Março 2018 | 04h00

A demanda mundial por água tem aumentado a uma taxa de 1% por ano, em razão do crescimento da população e de mudanças nos padrões de consumo. Por outro lado, cenários de secas e cheias têm ficado cada vez mais extremos e estima-se que o número de pessoas que vivem em áreas com potencial de apresentar escassez hídrica ao menos uma vez por ano pode saltar dos atuais 3,6 bilhões para algo entre 4,8 bilhões e 5,7 bilhões até 2050. 

É o que alerta o relatório mundial que a Organização das Nações Unidas lança nesta segunda-feira, 19, sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos, no Fórum Mundial da Água, que é realizado em Brasília. A recomendação da ONU é que, diante desse quadro, é preciso buscar saídas para a gestão da água nas chamadas “soluções baseadas na natureza” (SbN).

“Nós precisamos de novas soluções para a gestão dos recursos hídricos, para enfrentarmos os desafios emergentes relativos à segurança hídrica originados pelo crescimento demográfico e pela mudança climática. Até 2050, se não fizermos nada, cerca de cinco bilhões de pessoas viverão em áreas com baixo acesso à água”, disse em comunicado à imprensa Audrey Azoulay, diretora-geral da Unesco, organização que coordenou o relatório. 

“É um desafio importante que devemos enfrentar todos juntos com uma abordagem virtuosa para prevenir conflitos relacionados à água”, complementou.

+++ Ocupação pode ter piorado crise hídrica em Brasília

O quadro geral do planeta vem piorando. De acordo com o relatório, no começo dos anos 2010, 1,9 bilhão de pessoas (27% da população mundial) viviam em áreas com potencial de serem gravemente afetadas pela escassez hídrica. Hoje já se estima que é quase o dobro o total que vive em áreas potencialmente escassas em água pelo menos durante um mês por ano.

O documento aponta que as captações de água para irrigação são a principal causa da redução dos níveis das águas subterrâneas em todo o mundo. E que até 2050 as captações podem crescer 39% em relação aos níveis atuais. Mas hoje, ⅓ dos maiores sistemas mundiais de águas subterrâneas já está em situação de perigo, lembra a ONU.

A organização também lembra que secas e inundações causam perdas econômicas anuais em todo o mundo na faixa de US$ 40 bilhões. Valor que pode subir para US$ 200 bilhões a US$ 400 bilhões, segundo algumas estimativas citadas no documento.

Infraestrutura verde

Em vez de tentar resolver os problemas somente com infraestrutura cinza, como grandes obras de saneamento e captação de água ou construção de diques, a proposta é se inspirar e se apoiar na natureza para melhor a qualidade da água, do abastecimento e também proteger contra desastres naturais. Isso passa por conservar ou recuperar os ecossistemas naturais ou criar modelos que simulam os processos naturais.

“Abordagens tradicionais não permitem que a segurança hídrica sustentável seja alcançada. As SbN trabalham com a natureza, não contra ela e por isso oferecem meios essenciais para ir além das abordagens tradicionais para aumentar os ganhos em eficiência social, econômica e hidrológica, no que diz respeito à gestão da água”, aponta o relatório. 

“As SbN são especialmente promissoras na obtenção de progressos em direção à produção alimentar sustentável, à melhora dos assentamentos humanos, ao acesso ao fornecimento de água potável e aos serviços de saneamento, e à redução de riscos de desastres relacionados à água. Elas também podem ajudar na resposta aos impactos causados pela mudança climática sobre os recursos hídricos”, continua o documento.

Não é algo novo – projetos de recuperação de nascentes com mata nativa, por exemplo, trabalham exatamente com esse conceito de que uma vegetação preservada melhora a produção de água. Vai nessa mesma linha preservar um mangue para evitar danos causados pelo aumento do nível do mar. Ele é um amortecedor para ressacas melhor que muito dique.

Mas são iniciativas ainda muito incipientes. De acordo com o relatório, apesar de terem crescido os investimentos em SbN no mundo, eles ainda correspondem a menos de 1% do investimento total em infraestrutura para a gestão dos recursos hídricos. 

O trabalho sugere, porém, que uma expansão desses projetos pode beneficiar bilhões. Um estudo citado indica que atividades de conservação e/ou restauração da terra (como a proteção de florestas, o reflorestamento e o uso de culturas de cobertura na agricultura) podem levar a uma redução de pelo menos 10% nos sedimentos em bacias hidrográficas que atualmente abrangem 37% da superfície terrestre que não está coberta por gelo.

Segundo o trabalho, mais de 1,7 bilhão de pessoas – mais da metade da população urbana mundial – poderiam se beneficiar dessa melhora na qualidade da água se aquele tipo de solução fosse aplicada a à bacia hidrográfica de onde vivem.

Um outro trabalho sobre um estudo de caso específico revelou que um investimento de US$ 10 milhões em recomposição de matas ciliares, reflorestamento e implementação de melhores práticas agrícolas, poderia gerar um retorno estimado de US$ 21,5 milhões em benefícios econômicos durante um período de 30 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.