Reuters
Reuters

ONU busca reparar credibilidade afetada pelo 'climagate'

Detecção de erros em estudos sobre aquecimento e vazamento e-mails causaram polêmica

Efe

22 Março 2010 | 15h34

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, delegou a uma desconhecida organização, o InterAcademy Council (IAC), a tarefa de reparar a credibilidade do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC), após a detecção de erros em seus estudos e o vazamento de polêmicos e-mails.

 

Veja também:

linkArtista faz protesto contra aquecimento na Groenlândia 

linkPrioridade ainda é a mudança do clima, diz chefe do Greenpeace 

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono   

 

A junta executiva do IAC se reunirá na segunda-feira, 22, em sua sede em Amsterdã para estudar a implementação da incumbência solicitada por Ban há poucos dias, quando o secretário-geral pediu uma avaliação da rigorosidade metodológica do IPCC.

 

"A revisão não examinará a ampla documentação sobre a mudança climática causada pelo ser humano, mas as políticas, procedimentos e estrutura organizativa usada pelo IPCC para avaliar e informar sobre a mudança climática", explicou à Agência Efe em Nova York o porta-voz do IAC, Bill Kearney.

 

Ele se mostrou confiante de que a entidade cumprirá o prazo de fim de agosto pedido por Ban para completar o relatório.

 

O secretário-geral da ONU decidiu solicitar essa revisão depois que a credibilidade do IPCC foi afetada quando foram admitidos erros em seu relatório de 2007, como a afirmação de que as geleiras do Himalaia poderiam desaparecer até 2035.

 

Vazamento de e-mails

 

O IPCC também recebeu fortes críticas após a divulgação no ano passado de e-mails da Unidade de Pesquisa Climática (CRU) da Universidade britânica de East Anglia - um dos centros de maior prestígio internacional no assunto - que sugeriam uma tentativa de se exagerar os níveis do aquecimento global.

 

A polêmica causada por essas revelações, conhecida como "climagate", levou "vários ministros do Meio Ambiente" a recomendar à ONU que intervisse no assunto, disse à Agência Efe Janos Pasztor, diretor da equipe sobre mudança climática do secretário-geral da ONU.

 

Perante esse panorama, Ban conversou com o presidente do IPCC, o cientista indiano Rajendra Pachauri, sobre a possibilidade de tomar alguma ação. Eles decidiram então que era necessário realizar uma investigação independente, acrescentou Pasztor.

 

Para o analista sobre mudança climática da instituição conservadora americana Heritage Foundation, Ben Lieberman, a revisão solicitada pela ONU pode ficar pronta demais tarde.

 

"É muito possível que o dano já esteja feito", disse à Agência Efe o analista. "Mesmo eu, que já era muito cético a respeito da mudança climática, me surpreendi com o mal que as coisas estavam fazendo", complementou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.