ONU alerta que 1,2 mil espécies de aves migratórias estão ameaçadas no mundo

Segundo ONU, aves em risco de extinção são 'sinal de que condições de determinados ecossistemas mudaram'

EFE

07 Maio 2010 | 12h46

Um total de 1.227 espécies de aves migratórias estão ameaçadas, o equivalente a 12,4% das 9.865 existentes, segundo alerta nesta sexta-feira o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), devido a celebração neste fim de semana do dia mundial das aves migratórias.  

 

"As aves migratórias têm um papel de indicadores, já que nos permitem observar os efeitos negativos da nossa forma de vida sobre o planeta e sobre a biodiversidade", ressaltou o diretor do Pnuma, Bert Lenten.

 

Quando uma ave se encontra em perigo de extinção, de acordo com o Pnuma, isso supõe "um sinal de que as condições de determinados ecossistemas mudaram, o que pode afetar outras espécies dependentes". A ONU reporta que cerca de 19% das aves estão classificadas como migratórias, das quais 11% estão em risco e até 31 espécies se encontram na lista vermelha da União Mundial para Conservação da Natureza.

 

Entre elas, aparecem o periquito-de-ventre-laranja (neophema chrysogaster), o maçarico-de-bico-fino (numenius tenuirostris), a íbis-eremita (geronticus eremita), o abibe-sociável (vanellus gregarius) e o albatroz-das-galápagos (phoebastria irrorata). Estas espécies enfrentam muitas ameaças humanas, como constata a ONU, entre elas a agricultura e a invasão de animais exóticos.

 

O dia mundial das aves migratórias neste final de semana contará com eventos em países como Espanha, Argentina, Colômbia, Chile, Porto Rico, Índia, França, Itália, Nepal, Estados Unidos e Zimbábue e outras 30 nações no mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.