Ints Kalnins/Reuters - 15/12/2009
Ints Kalnins/Reuters - 15/12/2009

ONU afirma que próximas 24 horas serão cruciais para COP-15

Yvo de Boer, secretário-executivo da organização, espera que discussões na cúpula sejam mais produtivas

Efe,

16 Dezembro 2009 | 16h50

O secretário-executivo da Cúpula das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), Yvo de Boer, advertiu nesta quarta-feira, 16, que as próximas 24 horas serão "cruciais" para o êxito da reunião, que busca um acordo para combater o aquecimento do planeta.

 

Veja também:

linkPaíses ricos querem se igualar a emergentes na COP, diz Dilma 

linkUE apela à China e EUA por acordo  

linkEmergentes se opõem a esboço do acordo

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especialCOP-15, passo a passo

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono   

 

"Ainda acredito que é possível alcançar um autêntico êxito, mas, nesse contexto, as próximas 24 horas serão cruciais e devem ser utilizadas de forma produtiva", declarou, em entrevista coletiva.

 

A cúpula atravessa momentos difíceis devido à desconfiança dos países em desenvolvimento e emergentes sobre as intenções dos desenvolvidos. Estes países acusam as nações ricas de quererem acabar com o Protocolo de Kyoto, o único tratado existente sobre cortes de emissões, e de não escutar suas reivindicações.

 

"Hoje escutamos muitas declarações apaixonadas de líderes para alcançar um resultado ambicioso em Copenhague", disse De Boer, e explicou que muitos países pediram mais tempo para poder fazer progressos.

 

O primeiro-ministro dinamarquês, Lars Løkke Rasmussen, manteve consultas com diferentes grupos regionais para tentar fazer o processo avançar, que também tropeçou em diferenças sobre números de cortes de emissões de gases estufa e sobre o financiamento de medidas para frear ou fazer frente à mudança climática.

 

Há 192 países participando da cúpula e milhares de pessoas. "Não se pode ter um resultado efetivo em 24 horas", declarou De Boer.

 

Rasmussen, que substituiu nesta quarta-feira na Presidência da cúpula a também dinamarquesa Connie Hedegaard, que renunciou, tenta criar um processo eficaz e transparente, para o qual necessita o consenso de todos os grupos, segundo De Boer.

 

O principal responsável da organização da cúpula também explicou que uma nova minuta preparada hoje pelos dinamarqueses não tenta substituir os dois textos estudados pelas delegações nos últimos dez dias, mas tem o objetivo de facilitar a situação.

Mais conteúdo sobre:
ONU Yvo de Boer Copenhague COP cupula clima

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.