ONU: acordo abrangente em Copenhague é 'impossível'

O encontro na capital dinamarquesa ocorre entre 7 e 18 de dezembro, com de negociadores de 192 países

AE, Agencia Estado

28 Outubro 2009 | 13h43

O secretário-executivo da Convenção da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Mudança Climática, Yvo de Boer, afirmou hoje que será "impossível" se obter um acordo abrangente sobre o clima em Copenhague, em dezembro. Principal negociador da entidade sobre o tema, De Boer notou, porém, que um forte compromisso político sobre o tema no encontro já será um avanço.

ONU já fala em negociações 'pós-Copenhague' do efeito estufa

Japão acena com recuo em meta de corte de emissões de CO2

China e Índia firmam posição comum para cúpula climática

Países pobres temem um acordo vazio em Copenhague

Negociação para acordo climático pode entrar em 2010

"É fisicamente impossível em qualquer cenário completar cada detalhe do tratado em Copenhague", disse. "Mas (a reunião em) Copenhague pode e deve concordar com as bases políticas que farão uma resposta de longo prazo à mudança climática clara, possível, realista e bem definida."

O encontro na capital dinamarquesa ocorre entre os dias 7 e 18 de dezembro, com a presença de negociadores de 192 países. Segundo o secretário da ONU, nessa ocasião o que deve ocorrer é "o fim da negociação e o começo do processo técnico para se fechar todos os detalhes". Na segunda-feira, começa em Barcelona uma reunião preliminar de cinco dias sobre o tema, também no âmbito da entidade.

Quatro pontos

Para haver sucesso, Copenhague deve promover a "absoluta clareza" sobre quatro pontos, na opinião do secretário-executivo. O encontro deve decidir sobre quanto os países ricos podem emitir de gases causadores do efeito estufa em 2020 e 2050 e também o que nações em desenvolvimento como Brasil, Índia, China, México e Indonésia farão para limitar suas emissões, afirmou.

Além disso, os países desenvolvidos devem decidir quanto darão às nações pobres para ajudá-las a reduzir as emissões e cooperar com projetos para reduzir o impacto da mudança climática, combatendo problemas como enchentes, secas, escassez de alimentos e custos com doenças pelas mudanças climáticas.

Finalmente, a conferência deve determinar como esse financiamento - que deve movimentar bilhões de dólares anualmente em uma década - deve ser gerenciado. De Boer notou que o mundo não tem mais um ano para esperar por um acordo, e que o pacto "deve ser feito em Copenhague". Ele lembrou que o acordo deve ser ratificado e firmado antes do fim de 2012, quando o Protocolo de Kyoto expira.

Após a negociação política, o secretário espera que em 2010 sejam finalizados os detalhes do plano. De Boer lembrou que levou oito anos para se negociar e ratificar Kyoto, até o momento o único acordo internacional que limita as emissões. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
ambiente Copenhague clima acordo impossível

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.