Nilton Fukuda
Nilton Fukuda

ONG presta homenagem a árvores da cidade

SOS Mata Atlântica reconhece a importância de 20 exemplares espalhados por São Paulo

Tania Valeria Gomes, O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2012 | 03h03

Conhecida como a árvore documentada mais antiga de São Paulo, a Figueira das Lágrimas é o orgulho de Yara Rodrigues Caldas, de 55 anos. A árvore histórica, citada até em livros, é uma das "veteranas de guerra" homenageadas no Dia da Árvore pela SOS Mata Atlântica por seus serviços prestados à população de São Paulo.

Dona Yara é a guardiã da árvore desde 1974, quando se mudou para o bairro do Sacomã, onde fica o exemplar. Desde então, cuida dela todos os dias. "Esta figueira faz parte da minha vida. Sempre brinquei em volta dela e por isso passei a tratá-la como alguém da família", conta.

A Figueira das Lágrimas é uma entre as 20 árvores, nativas da Mata Atlântica, que receberão uma placa de bronze no projeto Veteranas de Guerra. No site (www.veteranasdeguerra.org), os moradores poderão acompanhar o desenvolvimento das espécies e encaminhar eventuais denúncias de agressão.

Também fazem parte da lista um chichá do Largo do Arouche, um cambuci de Santo Amaro e um jatobá do Parque da Luz. A seleção foi feita pelo botânico Ricardo Cardim, que levou em consideração aquelas que mais precisam de atenção, tanto pela idade quanto pela raridade da espécie.

"Essas árvores são testemunhas não só da história, mas da biodiversidade ancestral paulistana", diz Cardim, que também é o fundador da rede Árvores de São Paulo. A copaíba, que fica na Granja Julieta, é a mais vulnerável da lista: está em uma área particular e fica difícil acompanhar o seu desenvolvimento.

O projeto Veteranas de Guerra quer familiarizar os paulistanos com a biodiversidade urbana. "A ideia é fazer com que as pessoas valorizem as espécies que ocorrem nos locais onde vivem", diz Márcia Hirota, da SOS Mata Atlântica. "Em São Paulo, muitas vezes a população não se dá conta de que o bioma tem uma importância enorme para sua qualidade de vida."

Veja os endereços das árvores selecionadas:

Figueira-das-lágrimas

Estrada das Lágrimas, entre os números 515 e 530, próximo à Rodovia Anchieta, no Sacomã - Zona Sul

Chichá do Largo do Arouche

Largo do Arouche, Centro

Ceboleiro do Viveiro Manequinho Lopes

Av. República do Líbano, Portão 7

Figueiras da Casa do Caxingui

Praça Ênio Barbato I, s/n

Jequitibá-rosa da Praça Coronel Fernando Prestes

Coronel Fernando Prestes - Luz

Copaíba na Granja Julieta

Inácio Borba, 286, Granja Julieta

Cambuci de Santo Amaro

A Praça Salim Farah Maluf fica localizada entre as Ruas Ten. Cel. Carlos da Silva Araujo, Mário Lopes Leão, Paulo Eiró e Cerqueira Cesar

Canelas da Praça Buenos Aires

Av. Angélica, s/n (alt nº1500 da Av Higienópolis)

Copaíba do Colégio Friburgo

Colégio Friburgo - Avenida João Dias, 242 - Santo Amaro

Figueira do Parque do Carmo

Av. Afonso de Sampaio E Sousa, 951 - Itaquera

Jatobá do Parque da Luz

Rua Ribeiro de Lima, 99 - Bom Retiro

Jequitibá-branco do Trianon

Rua Peixoto Gomide, 949, Cerqueira César

Paineira da Biblioteca Mário de Andrade

Praça Dom José Gaspar - na esquina com a Rua da Consolação - República

Figueira do Piques

Largo da Memória - Centro

Jequitibá-branco do Parque da Previdência

Rua Pedro Peccinini, 88 - Jardim Previdência

Passuarés do Parque Volpi

Avenida Engenheiro Oscar Americano, 480 - Morumbi

Palmiteiros do Jardim Botânico

Avenida Miguel Estefano, 3031 - Jabaquara

Araucárias da Serra da Cantareira

Rua do Horto, 1799

Cedro do Butantã

Avenida Vital Brasil, 1500, Butantã

Jabuticabeiras do Pico do Jaraguá

Rua Antonio Cardoso Nogueira, 539 (acesso pela Rodovida Anhanguera, Km 18)

Mais conteúdo sobre:
SOS Mata Atlântica árvore

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.