Onça-parda é achada morta em rodovia do interior de São Paulo

Felino foi atropelado na Rodovia Washington Luís, na altura de Matão; foi o segundo caso registrado na região em um mês

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

09 Junho 2015 | 11h59

SOROCABA - Uma onça-parda adulta foi encontrada morta às margens da Rodovia Washington Luís, em Matão, região norte do Estado de São Paulo, nesta segunda-feira. 8. O felino, com 1,55 metro de comprimento e 70 kg de peso, foi avistado por um morador próximo do distrito de São Lourenço do Turvo. A onça, também conhecida como suçuarana, apresentava ferimentos causados por atropelamento.

A concessionária da rodovia recolheu o animal e o encaminhou ao Hospital Veterinário da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Jaboticabal. 

Foi o segundo atropelamento desse felino na região em um mês. No dia 10 de maio, uma onça-parda foi encontrada ferida à margem da Rodovia Brigadeiro Faria Lima, em Bebedouro. O animal adulto chegou a ser levado para o Hospital Veterinário de São José do Rio Preto, mas precisou ser sacrificado em razão da gravidade das lesões.

De acordo com a Polícia Ambiental de Bebedouro, desde o início do ano, quatro onças-pardas foram vítimas de atropelamento na região. No sudoeste do Estado, a Associação Protetora de Animais Silvestres de Assis (Apass) recebeu duas onças feridas.

Segundo a entidade, os atropelamentos aumentam nesta época em razão das queimadas - os felinos invadem as rodovias fugindo do fogo. A onça-parda se adaptou aos canaviais, o que aumenta o risco, já que em algumas regiões a colheita da cana ainda é feita com uso do fogo.

Anhanguera. Em 2009, uma onça-parda ficou famosa após se recuperar de um grave atropelamento na Rodovia Anhanguera, próximo de Jundiaí. Batizada de onça Anhanguera pelos cuidadores, três anos depois ela voltou a ser atropelada na Rodovia dos Bandeirantes, na mesma região e, desta vez, não sobreviveu. Ela foi identificada pelo chip que ganhou durante o tratamento.

Mais conteúdo sobre:
OnçaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.