Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Óleo reaparece em mais oito praias de cinco Estados do Nordeste

A Marinha identificou 19 pontos de presença de óleo cru e mobiliza equipes para limpar os locais em parceria com o Ibama e a Agência Nacional de Petróleo

André Borges, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2019 | 16h32

BRASÍLIA - A Marinha informou que, na segunda-feira, 28, oito praias da região Nordeste voltaram a receber óleo cru. Em parceria com o Ibama e a Agência Nacional de Petróleo (ANP), a Marinha mobilizou equipes para limpar os locais.

As oito praias estão localizadas em cinco Estados da região. São elas: Via Costeira e Búzios (RN), Conceição e Itapuama (PE), Japaratinga e Piaçabuçú (AL), Abaís (SE), Morro de São Paulo e Moreré (BA). Nesta terça-feira, 29, a Marinha identificou 19 pontos de presença de óleo.

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, admitiu que, no momento, é impossível prever se o derramamento está no começo, meio ou fim. “A duração do tempo, nós não sabemos ainda. Estamos aperfeiçoando os processos. Estamos atuando desde o dia 2 de setembro”, declarou. “Nosso objetivo é a contenção de danos, o monitoramento pelo ar e pelo mar. Todas estão sendo limpas imediatamente quando constatadas todas as manchas de óleo.”

O Grupo de Avaliação e Acompanhamento (GAA), formado pela Marinha do Brasil (MB), Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Ibama, informou que, apesar do avanço das manchas pela região sul da Bahia, até o momento, não foram localizados indícios de óleo na área da reserva ambiental de Abrolhos (BA).

Um navio está na região e, seguindo o governo, realizam constante monitoramento, por causa da importância ambiental e científica da região.

Segundo Fernando Azevedo, a Defesa dispõe de 2.700 pessoas da Marinha e 5 mil do Exército, que podem ser empregados. Na segunda, 1.446 militares estavam em campo na região Nordeste.

Para Entender

Entenda o vazamento de petróleo nas praias do Nordeste

Óleo se espalha pelos 9 Estados da região. O poluente foi identificado em uma faixa de mais de 2 mil quilômetros da costa brasileira

O ministro negou que o governo tenha demorado em acionar o Plano Nacional de Contingência contra o derramamento de petróleo no mar. “Eu achei que o governo agiu rápido, nós estamos é aprimorando os processos”, disse.

A Marinha voltou a informar que, nesta terça, investiga 30 navios de 11 países como possível origem da tragédia ambiental que castiga a região Nordeste. O trabalho começou com 1.500 navios. Esse número caiu para 140 navios e, atualmente, estão em 30 embarcações. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.