Carlos Ezequiel Vannoni/EFE
Carlos Ezequiel Vannoni/EFE

Óleo chega à orla de Ipojuca, cartão-postal do litoral de Pernambuco

Força da maré levou substância novamente à região; praia de Maracaípe foi uma das mais atingidas

Vinícius Brito, Especial para o Estado

19 de outubro de 2019 | 18h08

RECIFE - A orla de Ipojuca, onde fica Porto de Galinhas e outros destinos famosos do litoral pernambucano, amanheceu coberta por manchas de óleo neste sábado, 19. A substância voltou a aparecer na região com a força das marés e atingiu principalmente a praia de Maracaípe .

Mais de 20 toneladas do produto, que se espalhou desde o Maranhão até a Bahia, já foram retiradas das praias de Pernambuco, segundo a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade. A origem do óleo, cujo vazamento foi identificado no início de setembro, ainda não foi descoberta.

A prefeitura de Ipojuca afirma que os 33 quilômetros do litoral estão sendo monitorados com 70 câmeras e uma equipe de agentes do meio ambiente. O órgão também diz ter instalado barreiras de contenção no Rio Maracaípe, para "tentar minimizar o impacto ambiental no estuário e evitar que o óleo adentre no rio".

O Comitê Gestor de Crise da prefeitura de Ipojuca convidou voluntários para ajudar na limpeza das praias e alertou que o trabalho deve ser realizado com luvas de proteção e calças fechadas para evitar contato direto com a substância tóxica. A recomendação é para guardar o material em baldes ou sacos plásticos, que devem ser recolhidos pela prefeitura.

Barreira de corais em risco

Para Pâmella Nogueira, mestre em Gestão de Áreas Protegidas, o desastre envolve a "segurança planetária", já que grande parte do oxigênio vem dos oceanos. "A segunda barreira de coral está no Nordeste brasileiro e os corais são ecossistemas próprios que contêm diversos organismos", explica.

"Esses corais são um banco de vida que está nos oceanos e hoje em dia a gente tem poucas áreas marinhas implementadas. É questão de segurança nacional: influencia o social, o econômico, o político e o cultural. Esses bancos de vida estão sendo mortos", lamenta a pesquisadora.

Na última sexta-feira, 18, arrecifes próximos à praia de Carneiros, em Tamandaré (a 56 quilômetros de Ipojuca), foram atingidos pelo óleo, o que influencia na produção de oxigênio, segundo a pesquisadora. "(A morte das) barreiras de corais faz com que a quantidade de peixes e fauna marinha diminua e, se outros organismos estão contaminados, a gente se contamina junto", diz Nogueira.

Cartão-postal manchado

Ipojuca reúne os principais cartões-postais do Estado e, no último ano, as prais da cidade receberam mais de 1,2 milhão de turistas, de acordo com o Porto de Galinhas Convention & Visitors Bureau. Para a diretora da entidade, Brenda Silveira, o impacto do desastre ambiental no turismo ainda não foi sentido. "Tem muito turista, Porto de Galinhas está lotado", diz.

"A gente entende que o impacto faz as pessoas avaliarem vir para o Nordeste", declara o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Pernambuco (ABIH-PE), Artur Maroja. Ele afirma que um evento dessa proporção no Nordeste afetará o turismo do Estado. Porém, "a gente acredita que, com o trabalho de coleta, não haverá impacto para os visitantes", espera o presidente.

Na próxima semana, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, fará uma reunião com o governador do Estado, Paulo Câmara (PSB), para tratar sobre possíveis soluções para limpar as manchas no litoral. O governo do Estado montou uma Sala de Situação para monitorar o espalhamento das manchas pelas praias pernambucanas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.