Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Óleo chega à foz do Rio Jaboatão, em PE; presos do semiaberto ajudam na limpeza

Estimativa é de que mais 40 toneladas de piche tenham sido retiradas; voluntários foram impedidos de participar da ação

Priscila Mengue (texto) e Tiago Queiroz (fotos), enviados especiais ao Nordeste

23 de outubro de 2019 | 13h30

JABOATÃO DOS GUARARAPES - O óleo que atinge o Nordeste brasileiro há mais de um mês chegou na madrugada desta quarta-feira, 23, à Praia Barra da Jangada, onde está a foz do Rio Jaboatão, em Jaboatão dos Guararapes, cidade vizinha do Recife. Funcionários da prefeitura, da Marinha, do Exército e 50 presos em regime semiaberto atuam na praia, que está isolada para o acesso de voluntários.

Resíduos foram identificadas em alto-mar por um pescador na noite anterior, por volta das 23 horas, enquanto as manchas foram detectadas na praia por volta das 4h30. Segundo o superintendente da Proteção e Defesa Civil de Jaboatão, Artur Paiva, foram retiradas 44 toneladas de óleo somente nas primeiras horas da manhã. Agora, as ações são para tirar pequenos pedaços da substância. 

"A nossa preocupação foi tirar rápido, não dá para deixar desse jeito", diz. "Não pode deixar entrar no estuário. A barreira foi acionada e não encontramos nada lá." 

A Marinha justifica o isolamento da praia como medida de segurança.

"Pode ser um problema para a saúde de quem manuseia. Nem todos os voluntários têm material", diz o comandante do destacamento dos fuzileiros, capitão-tenente Gilson Cunha.

Ao todo, 1.500 homens da Marinha atuam no Nordeste, dos quais 380 estão em Jaboatão.

"É importante que a população confie na ação conjunta (dos governos municipal, estadual e federal)."

O trabalho está sendo majoritariamente dentro da água, pois o óleo afunda no rio (enquanto boia no mar). Não está descartada ação com mergulhadores para retirar o óleo do fundo.

Para Entender

Entenda o vazamento de petróleo nas praias do Nordeste

Óleo se espalha pelos 9 Estados da região. O poluente foi identificado em uma faixa de mais de 2 mil quilômetros da costa brasileira

"Quando a maré baixar, vai se poder ter uma melhor compreensão da situação", diz o capitão.

Por volta das 9 horas, chegaram ao local 50 reeducandos do regime semiaberto, da Penitenciária Agroindustrial São João, em Ilha de Itamaracá, no Grande Recife. Eles foram divididos em trios para recolher restos do óleo com sacos de lixo. A ação valerá como hora trabalhada e poderá ser deduzida da pena. 

Inicialmente, o grupo iria para Cabo de Santo Agostinho, onde está grande parte do óleo, mas foram remanejados após a divulgação da chegada da nova mancha.

"Não imaginava que estava nessa situação", comentada o apenado Paulo Henrique da Silva, de 21 anos. "Estamos separando o óleo com as luvas. Alguns, temos mais sorte, outros são mais difíceis de tirar. Estou achando legal poder ajudar."

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Estamos separando o óleo com as luvas. Alguns, temos mais sorte, outros são mais difíceis de tirar. Estou achando legal poder ajudar
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Paulo Henrique da Silva, detento do regime semiaberto

A área está isolada com fitas, com a restrição de acesso até para a imprensa e os voluntários - alguns reclamavam da situação e apontavam que os militares não deveriam atuar de bermuda (por questões de segurança). Um dos poucos voluntários que conseguiu ajudar estava em um stand up paddle, que usava para se deslocar para longe da margem para procurar manchas.

"Não estão deixando ninguém. Assim que cheguei em Itapuama, soube que tinha chegado aqui. Veio gente da Marinha e do Exército para cá, aí a gente também se dividiu", conta a bióloga e voluntária Gabriela Barros, de 31 anos. "Viemos dar suporte e não estamos podendo fazer nada. Trouxemos doação para cá abastecendo eles. A gente está usando o mesmo tipo de proteção que eles e já temos o conhecimento de quem está atuando nisso."

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Viemos dar suporte e não estamos podendo fazer nada
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Gabriela Barros, bióloga e voluntária

O Rio Jaboatão tem cerca de 75 quilômetros de extensão, sendo local de pesca e de reprodução de espécies, incluindo tubarões. "Aqui tem caranguejo, camarão, peixes, logo na frente tem a colônia de pescadores que nos ajudou bastante a monitorar", conta Edilene Rodrigues, superintendente de Meio Ambiente de Jaboatão. 

"A nossa barreira de contenção rompeu na madrugada (por causa da maré), mas o intuito é que, se viesse boiando (o óleo), conseguiria reter", conta. "Várias redes de camarão foram distribuídas e conseguiram interceptar uma grande  massa que chegou no domingo."

Segundo o governo de Pernambuco, boias de contenção estão sendo colocando no mar e em rios desde o dia 17. Como o estuário do Rio Jaboatão tem densidades distintas, por reunir águas doce e salgada, o óleo consegue escapar por baixo da boia. Por isso, foi iniciada a colocação de redes submersas abaixo das boias, que somam três quilômetros de extensão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.