Óleo atinge três praias em Caraguatatuba

Cetesb admitiu que a mancha havia se espalhado após ter dito, ao longo do dia, que a situação estava "controlada".

Reginaldo Pupo, especial para o Estado,

07 Abril 2013 | 20h37

SÃO SEBASTIÃO - A mancha de óleo vazado de uma das redes do píer do Terminal Marítimo Almirante Barroso (Tebar), da Transpetro/Petrobrás, em São Sebastião, chegou às praias da Massaguaçu, Cocanha e Capricórnio, em Caraguatatuba, distantes a cerca de 35 km do local do acidente. A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) admitiu que a mancha havia se espalhado após ter dito, ao longo do dia, que a situação estava "controlada".

Segundo a Cetesb, outras duas praias do mesmo município – Mococa e Lagoinha – também podem ter sido atingidas. A situação será avaliada hoje.

Em São Sebastião, o trabalho de limpeza foi concluído nas praias Pontal da Cruz, Deserta e Arrastão. Agora, os esforços estão concentrados na Praia das Cigarras, onde a mancha também chegou aos costões rochosos. Segundo a prefeitura, o banho também não é indicado nas praias Porto Grande, Portal da Olaria, São Francisco, Figueira e Enseada.

Ontem, dezenas de turistas aproveitaram o sol e ignoraram as praias atingidas pelo óleo. Muitas crianças foram vistas no mar na Praia das Cigarras, enquanto equipes ainda atuavam na limpeza. Também havia banhistas na Praia do Porto Grande e Pontal da Cruz. A maioria declarou não saber que os locais estavam impróprios e não havia placas indicando a poluição.

"Até vi toda a movimentação (das equipes), mas não imaginava que se tratava de um vazamento de óleo", disse Lígia Cardoso, de 28 anos. Ao saber pela reportagem, tirou a filha de 4 anos do mar.

Segundo a Cetesb, o vazamento começou em uma operação de abastecimento de um navio, quando uma válvula apresentou defeito. Com isso, um óleo de consistência densa, conhecido como Marine Fuel 380 (usado para abastecer navios), vazou. Não há informações sobre o volume de óleo que se espalhou no mar.

Vistoria. Os prefeitos de São Sebastião, Ernane Bilotti Primazzi, e de Ilhabela, Antonio Luiz Colucci, realizaram uma vistoria nos pontos atingidos na manhã de ontem e nas instalações do Tebar, onde se encontraram com o presidente da Transpetro, Sérgio Machado.

De acordo com Primazzi, a prefeitura está aguardando avaliação da Secretaria Municipal do Meio Ambiente para definir quais sanções serão aplicadas à Petrobrás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.