AP
AP

Obama pressiona ricos e emergentes por pacto climático amplo

Americano se reúne com Lula e defende posição conjunta dos dois países sobre aquecimento global

Associated Press e Agência Estado,

09 Julho 2009 | 11h05

O presidente dos EUA, Barack Obama, mantém diversas reuniões nesta quinta-feira, 9, para pressionar países ricos e emergentes para adotar metas mais claras de redução de emissões de poluentes durante a cúpula do G-8 em L'Áquila, na Itália. Obama se encontrou nesta manhã com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pediu que Brasil e EUA adotem uma posição comum sobre o clima.

 

Veja também:

link G-8 dará chance a negociação com Irã, diz Nicolas Sarkozy

link Lula presenteia Obama com camisa da seleção

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 Na quarta-feira, o G-8 e os emergentes do G-5 (Brasil, China, Índia, México e África do Sul), concordaram em limitar o aquecimento global até 2050 a até 2 graus Celsius. Os EUA e os países europeus concordam em reduzir a emissão de gases responsáveis pelo aquecimento global em até 80% até 2050 e que o resto do mundo deve cortar seus poluentes em 50%, mas os emergentes não querem se comprometer com metas para não comprometer seu crescimento.

Segundo o porta-voz da Casa Branca Robert Gibbs, Lula não deu espaço para discutir a redução de emissão de gases do efeito estufa, mas Obama está otimista. "Ainda há espaço para reduzir a discordância antes da cúpula de Copenhague", disse Gibbs. A reunião na Dinamarca deve produzir um novo acordo para redução de poluentes em substituição ao protocolo de Kyoto.

 

O assessor da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, disse que Brasil e os EUA irão tentar chegar a uma posição comum na Conferência das Nações Unidas para a Mudança Climática. Segundo ele, foi Obama quem apresentou a proposta a Lula.

 

O diretor do Departamento de Meio Ambiente do Itamaraty, Luiz Alberto Figueiredo Machado, disse que Obama quer que Brasil e EUA liderem as negociações em Copenhague, a partir de uma posição consolidada. Porém, segundo Marco Aurélio, o presidente norte-americano deixou claro a Lula a margem limitada dos EUA para assumir compromissos mais ambiciosos no acordo que fixará metas de redução de emissão de gases poluentes para o período de 2013 a 2020.

 

De acordo com a Casa Branca, Obama também deve liderar as discussões no Fórum das Maiores Economias, grupo que inclui além do G-8 e o G-5, Austrália, Indonésia, e Coreia do Sul. Juntos, estes países respondem por 80% da poluição mundial.

 

"Será uma oportunidade para o presidente e outros líderes discutirem o que podem fazer coletivamente e também para alavancar as negociações politicamente", disse o assessor de Segurança Nacional dos EUA, Mike Froman.

 

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse nesta manhã que o G-8 precisa financiar os países mais pobres na mudança da matriz energética, mas que todos os países devem cortar suas emissões de poluentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.