Odd Andersen/AP - 10/12/2009
Odd Andersen/AP - 10/12/2009

Obama pede um mundo unido no combate à mudança climática

Em discurso na cerimônia de recebimento do prêmio Nobel, presidente pede medidas 'rápidas e decisivas'

Efe,

10 Dezembro 2009 | 15h32

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu nesta quinta-feira, 10, ao mundo que enfrente unido a luta contra a mudança climática, em seu discurso de aceitação do Nobel da Paz que recebeu nesta quinta, em Oslo.

 

Em seu discurso diante de mil pessoas, entre as quais estavam os reis da Noruega, Harald e Sonja, e o ator americano Will Smith, entre outras personalidades, Obama falou do aquecimento global, protagonista da cúpula da ONU realizada em Copenhague de segunda-feira até 18 de dezembro.

 

Obama, que voltará na próxima semana à Europa para participar do encerramento da cúpula da ONU, lembrou que "há poucas dúvidas científicas de que, se não fizermos nada, enfrentaremos mais seca, mais fome e mais deslocamentos maciços que alimentarão mais conflitos durante décadas".

 

"Não são só os cientistas e os ativistas que pedem medidas rápidas e decisivas - são os líderes militares", que entendem que está em jogo a segurança de todos, disse.

 

Veja também:

linkPaíses emergentes têm proposta para acordo climático

linkBrasil não aceita compromisso obrigatório para cortar emissões

 blog 'Dinamarca quer sucesso a qualquer preço', diz G77

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono 

 

Inicialmente, Obama tinha previsão de ir a Copenhague ontem, antes de receber o Nobel, em Oslo. Na semana passada, anunciou uma mudança de planos, ao considerar que sua presença seria mais útil no encerramento da cúpula, quando estará a maioria dos líderes internacionais, diante da conquista de um acordo mais substancial. Mais de 100 chefes de Estado e de Governo confirmaram sua presença nos últimos dias da cúpula.

 

O objetivo da reunião é conseguir um acordo que substitua o Protocolo de Kioto, que expira em 2012. Os países renunciaram, por enquanto, a conseguir um pacto legalmente vinculativo, um objetivo que ficará para a reunião do México em dezembro de 2011, e se esforçam para conseguir um acordo politicamente vinculativo, que inclua compromissos para o corte de emissões e financiamento para os países pobres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.