Obama defende energia limpa para gerar empregos

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse em seu discurso do Estado da União, na quarta-feira, que o país deve investir em energia limpa para estimular a criação de empregos, mas não citou a criação de um mercado para créditos de emissões de carbono.

TIMOTHY GARDNER, REUTERS

28 Janeiro 2010 | 10h00

O projeto de lei sobre o clima que tramita no Congresso prevê a atribuição de um valor financeiro para as emissões de usinas elétricas, refinarias e fábricas, com a criação de um mercado de créditos para os poluentes responsáveis pelo efeito estufa. O texto também adota metas de redução das emissões de carbono nos EUA pelos próximos 40 anos.

Adversários temem que os cortes nas emissões causem fechamento de vagas ou a transferência de postos de trabalho para o exterior. O desemprego nos EUA já está acima dos 10 por cento.

Em seu primeiro discurso do Estado da União, na noite de quarta-feira (já madrugada de quinta no Brasil), Obama preferiu enfatizar o potencial da lei para atrair enormes investimentos na fabricação de painéis de energia solar, fazendas eólicas e outras fontes de energia limpa. Segundo ele, isso irá estimular a criação de empregos e as exportações para concorrentes como China e Índia.

"Neste ano, estou ávido por ajudar a promover o esforço bipartidário no Senado", disse Obama, que acaba de perder a maioria qualificada de 60 votos no Senado, por causa da eleição de um republicano numa eleição suplementar em Massachusetts.

"E, sim, isso significa aprovar um projeto energético-climático abrangente, com incentivos que irão finalmente fazer da energia limpa o tipo de energia lucrativa na América."

Tentando "amaciar" os adversários da lei climática, ele promoveu a energia nuclear, a exploração de petróleo em alto mar e as usinas termoelétricas com carvão "limpo" como sendo outras áreas importantes de investimento.

Ele não disse que o projeto terá de incluir mecanismos de limites e créditos de emissões.

"Parece que a liderança democrática está se aferrando à legislação combinada de energia e mudança climática por enquanto. Embora ele não tenha dito 'limites e créditos', ele disse, sim, que (os democratas) irão pressionar por uma política climática abrangente", afirmou Will Pearson, analista global de energia da consultoria Eurasia Group.

Obama tampouco citou a meta de redução de emissões que ele havia prometido antes da conferência climática da ONU em Copenhague, em dezembro - um corte de 17 por cento até 2020, em relação aos valores de 2005, condicionado à aprovação da lei climática no Congresso.

(Reportagem adicional de Jeff Mason, Richard Cowan e Leonora Walet em Hong Kong)

Mais conteúdo sobre:
EUA OBAMA CLIMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.