Obama cobra ação dos países emergentes em discurso na COP

Presidente dos EUA disse que é preciso considerar a atual recuperação econômica na discussão do acordo

estadao.com.br,

18 Dezembro 2009 | 09h44

O presidente norte-americano Barack Obama cobrou nesta sexta-feira, 18, mais ação dos países em desenvolvimento no combate às mudanças climáticas. Em seu discurso no plenário da Conferência das Nações Unidas para as mudanças climáticas, em Copenhague, Obama pediu que os emergentes assumam compromissos de meta de redução de emissões de CO2 e colaborem no financiamento aos países pobres na mitigação.

 

Veja também:

 

linkDiscurso de Obama tem endereço: a China

linkLula sobe tom e faz discurso crítico em Copenhague

link'Estou rindo para não chorar', diz Lula em Copenhague

 

"Os países em desenvolvimento não querem se comprometer tanto no acordo, o que não compreendo. Há países que acham que acham que os países ricos devem assumir a maior parte da responsabilidade. Eu acho que todos devem se comprometer e agir de uma forma unida para enfrentar esta ameaça real", disse Obama.

 

O presidente americano reafirmou os compromissos assumidos pelos EUA na redução de emissões dos gases-estufa, de 17% até 2020, contudo destacou que é preciso levar em consideração o atual momento econômico, de saída da recessão, e tomar medidas que não comprometam a volta do crescimento de empregos e a recuperação das empresas.

 

"Os Estados Unidos assume sua responsabilidade diante desta questão global. Nós renovamos nossas metas e vamos promover um investimento histórico para ajudar os outros países a combater o aquecimento", declarou Obama. "E estamos incentivando nossos lares e indústrias a usarem energia limpa."

 

No encerramento de seu discurso, Obama pediu que as nações se unam neste último dia de cúpula para estabelecer um acordo. "Essas discussões internacionais são feitas há duas décadas, só que agora a gente só fez aumentar e acelerar essas mudanças climáticas. Ou abraçamos este acordo e damos um passo à frente para modificar esta situação ou escolhemos andar para trás, vendo as mudanças climáticas ficarem irreversíveis", concluiu o presidente americano.

Mais conteúdo sobre:
CopenhagueCOPONUObamaclima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.